17
Set 07

 

O PSD e o PS estão a preparar uma nova Lei Eleitoral autárquica, onde o partido vencedor mesmo sem maioria absoluta, teria a maioria dos mandatos (vereadores).

A Lei até poderia ser alterarda, mas para isso a Assembleia Municipal teria muitos mais poderes, por exemplo, aprovar moções de censura ao executivo por maioria simples, reunir mensalmente, entrega de todos os documentos importantes e discussão dos mesmos com os deputados municipais. Estes teriam um estatuto mais amplo de fiscalizador do executivo. Os presidentes de junta não entrariam nas Assembleias ( dizem sempre que sim ao executivo)

O executivo seria composto pelo presidente, o eleito mais votado na lista da Assembleia municipal, e os restantes vereadores eleitos nas Assembleias municipais.

Os custos com este pessoal aumentaria.

Uma alternativa mais credível do que a golpada que aí se prepara pelo centrão.

publicado por José Manuel Faria às 12:20

4 comentários:
Cuidado Faria, às vezes as boas intenções não nos deixam ver o perigo.

O centrão , de que falas, é useiro e vezeiro em entendimentos de nascem criaturas mais ou menos sinistras, mas, admitindo que seja preciso rever a lei, há que o fazer para melhorar o que está e não para afastar a presença de terceiros incómodos.

A história autárquica está cheia de casos nada dignos que só foram conhecidos porque as oposições as denunciaram ou a elas se opuseram no momento da votação. Com as oposições longe, mais fáceis se tornam os cambalachos, as negociatas, as violações do pdm , etc.

Vejo que para compensar a ausência das oposições sugeres o aumento dos poderes fiscalizadores das assembleias municipais, entre outros. Meu caro Faria para que as assembleias municipais pudessem exercer cabal e oportunamente esse poder, teriam de ser mais "profissionalizadas", assessoradas por gente capaz e competente para acompanhar de perto a gestão camarária. Além disso, vê o que se passa com a Assembleia da República, a quem compete fiscalizar os actos do Governo. Com maioria absoluta, a fiscalização é pouco mais do que platónica.

Podes crer: nas circunstâncias actuais, com o PS a ocupar terrenos da direita, qualquer mexida nas leis não acolhe as preocupações das esquerdas e subestimar isto é cometer um suicídio político.
igrejavelha a 17 de Setembro de 2007 às 17:36

De acordo: A Assembleia da república "comporta-se assim, porque há uma maioria absoluta.

Para mim o a haver alteração da Lei era preferível que o executivo fosse todo da responsabilidade de um partido que teria de prestar contas no fim do mandato e por exemplo mensalmente há Assembleia Municipal.

A verdade é que me mete uma certa confusão, por exemplo em Vizela. Os 5 vereadpores do PS com pelouros, a governar e 15 em 15 dias reunem com 2 vereadores do PSD, estes pouco fazem para além de receber a senha, o poder não lhe liga, o que é que estão a fazer na CÃmara, nada.

José Manuel Faria a 17 de Setembro de 2007 às 18:08

Mas só o facto de estarem presentes e de usufruirem de poderes e legitimidade, obriga os restantes membros a agirem com cuidado acrescido e isso, parcendo pouco, leva os potenciais negociantes a pensarem duas vezes antes de agir.

A blindagem da vereação, obriga as oposições a fazer papel de polícia, como agora já o vão fazendo, mas com muito menos poder e legitimidade. E sentido de oportunidade. Por outro lado, para a assembleia exercer plenamente o seu poder tem de funcionar em permanência e não a espaços, o que transformaria os eleitos em eleitos a tempo inteiro o que, multiplicado pelos actuais 308 municípios dá um número elevadíssimo de deputados de novo tipo que onerariam o erário público e obrigaria à concessão de condições de trabalho similares, salvo as diferenças naturais, às disponibilizadas para a AR. Estará o legislador a pensar nisto tudo ou vai, a pretexto deste ou daquela crítica justa a actual lei, afastar as vozes que incomodam.
igrejavelha a 17 de Setembro de 2007 às 18:32

Igreja Velha. Sem os presidentes de junta e com a diminuição do nº de deputados Municipais, por ex. ( 3 % de média para eleger 1.), e não tendo nada a haver com o nº de freguesias.

Diminuindo o nº de Vereadores.

Estou de acordo contigo quem quer mudar a Lei não está a fazer estas contas.
José Manuel Faria a 17 de Setembro de 2007 às 18:43

Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Ó Gury pensei que tinhas emigrado.........Ó Gury t...
Por acaso, eu acho que se trata de uma excelente a...
Ainda bem que saltei fora do barco enquanto uns se...
Coitado do PS Vizela, a Dora a Presidente !!!!!!!!...
Então não são 800 mil euros, não é verdade, eminên...
Anónimo a 12 de Janeiro de 2018 às 11:11Se fosse a...
Um orçamento com mais de 3 milhões de lucro e não ...
Recorde prof. que a redução do IMI a pagar 2018 f...
O resto do entulho, sim, porque o entulho já foi a...
Podia ter aproveitado para mandar alguns no meio d...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

12 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO