10
Jan 08

Já devo ter dito algures que prefiro Governos com a capacidade e descaramento de faltar às promessas (quanto mais não seja porque o eleitorado é manifestamente incapaz de comunicar com a realidade). Chego ao extremo de não me aquecer ou arrefecer o facto de essas promessas terem sido feitas com a consciência de que não poderiam ser cumpridas, o que me torna um quase indiferente a doses consideráveis de demagogia e mentira eleitoral. Mas, mesmo para uma pessoa sem princípios como eu, esta tentativa de Sócrates de  transformar a sua cobardia, subserviência e falta de carácter numa "ética de responsabilidade" desafia os próprios dicionários de sinónimos e adjectivos. Com o devido respeito, a cona da prima de segundo grau dele é que esta decisão de não convocar o referendo é uma "ética de responsabilidade". Faltar a uma promessa nunca poderá equivaler a um mérito; significa, na mais benévola das hipóteses, que nos enganámos, o que exigiria, no mínimo, um lamento e um pedido de desculas. Mas não: Sócrates enche o peito e, na mais radical das sem vergonhas da política contemporânea portuguesa, garante que até "seria vantajoso para o Governo ir a referendo". Não utilizava a palavra vómito desde 3 de Março de 1983."



publicado por Francisco Mendes da Silva às 12:47

publicado por José Manuel Faria às 20:10

Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Pitonisa e restantes anónimos do Movimento por Viz...
O meu amor por Vizela é grande e por isso teria di...
Sejamos sérios:O JIC não fez nada pela construção ...
Apesar da minha identidade de Guri continuar intac...
Por onde anda o debate de ideias, já vai na broa d...
Ultrapassada? Quando se tem um JIC com idade e tiq...
"Só não percebo por que razão JORGE PEDROSA escrev...
Uauuuuuuuuuuu Chegou o salvador da pátria. onde es...
O gury d amaneira que falas de mulheres boas e lin...
Ao anónimo das 22:39 gostaria de desmontar o conte...
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO