28
Fev 14

 

 

PCP, justifica voto contra.

publicado por José Manuel Faria às 12:13

publicado por José Manuel Faria às 09:27

 

 

(...) O que é que muda entre 2009 e 2011?

 

O governo deixou de ter maioria absoluta. Muitos socialistas entenderam que a coerência do BE, ao continuar a votar contra os PEC e a austeridade, estava a facilitar o jogo da direita. E há muitos socialistas que, ainda hoje, não aceitam que tenhamos feito isso. Há uma área socialista que perdeu confiança no BE. Isso justifica a perda de votos, tanto mais que nesse período, na aparência, o BE faz duas coisas contraditórias: apoia o Manuel Alegre e apresenta uma moção de censura. Do nosso ponto de vista fez todo o sentido, mas foi percebido como contraditório.(...)

 

Não há diálogo possível?

Tem de disputar-se a hegemonia política que o PS tem hoje em segmentos importantes da sociedade. O BE existe para isso. Não basta o BE e é preciso um BE maior, seguramente. A única solução para esse problema é deslocar o eixo de uma alternativa de esquerda.(...)

 

É inviável uma coligação do BE com este PS em 2015?

Bom, não sei como é que o PS chegará a 2015. Mas se o PS não abandonar, no plano interno e europeu, as políticas que constituem o edifício do Tratado Orçamental e do Tratado de Lisboa, é impossível entendermo-nos. E essa é uma opção de fundo. É por isso que nós contestamos o que diz Rui Tavares. Rui Tavares acha que é preciso ir governar com o PS. Nós não dizemos isso e não aceitamos isso. Governar com o PS é ir governar com a política do PS.(...)

 

O BE tem tido muitas saídas ao longo dos anos. A mais recente foi a de Ana Drago, que saiu da direcção. Que impacto é que essas saídas tiveram?

Não podemos valorizar, dentro e fora do BE, a pluralidade e depois não querer pagar o preço que essa pluralidade tem. Acho que tudo isso são elementos naturais da vida do BE, são momentos na vida de um partido e nada mais do que isso. Recentemente, em relação à Ana Drago, disse que são acidentes de percurso - isto não é desvalorizar o episódio, nem a pessoa. Eu pensei tantas horas nos argumentos da Ana Drago como ela. Agora, ela tem uma opinião, eu tenho outra, nada muda na opinião que tenho dela, e penso que nada muda na opinião que ela tem sobre mim. A Joana Amaral Dias é militante do Bloco, muitas vezes discorda, é verdade, mas se discordasse mais já não era militante. O Sá Fernandes e o Rui Tavares nunca foram militantes, não têm nenhum compromisso, estiveram com o BE e deixaram de estar. Aprendemos? Claro que aprendemos, esperamos que eles também tenham aprendido. Tenho muita pena que o Daniel Oliveira tenha saído do BE e acho que um dia se vai arrepender. O Daniel saiu a partir de uma construção caricatural do BE, que a própria vida veio demonstrar que não era verídica. Os argumentos que ele invoca não são razoáveis. A Ana Drago é uma situação diferente. Não tem razão: a Ana Drago considera que o BE não esteve bem neste processo da convergência e eu acho que fomos aos limites do razoável. Ela acha que eu estou enganado, mas há uma diferença: a maioria da direcção tem a minha opinião e é assim que se resolvem as coisas no Bloco. Mas acho que isto não vai alterar em nada a relação da Ana Drago com o BE.(...)

 

Não sente a sombra do antigo líder?

Eu sou amigo pessoal do Francisco, converso com o Francisco, mas ele não tem nenhum papel permanente de direcção. A coordenação é uma responsabilidade que já não é dele. Ponto final, parágrafo. E ele aceita isso perfeitamente. Aliás, era só o que faltava que não aceitasse, foi ele que quis sair, ele assumiu isso. Ao Francisco não falta o que fazer, nem politicamente, nem academicamente. É uma grande figura da política portuguesa e da esquerda portuguesa e as grandes figuras em geral são tão grandes que nem sombra fazem.(...)

 

jornal i

publicado por José Manuel Faria às 08:41

27
Fev 14

publicado por José Manuel Faria às 17:04

publicado por José Manuel Faria às 09:57

 

"Perante a recente e dramática evolução da situação na Ucrânia, o PCP expressa a sua condenação pelo autêntico golpe de estado levado a cabo pelos sectores mais reaccionários da oligarquia ucraniana com o apoio do imperialismo, após meses de desestabilização e de escalada de violência, desencadeadas após o anúncio da suspensão da assinatura do acordo de associação com a União Europeia em Novembro passado.

Os acontecimentos evidenciam a instrumentalização por parte das potências imperialistas da NATO – concertadas com as classes dominantes na Ucrânia – do profundo descontentamento acumulado entre os trabalhadores e amplas camadas da população, resultante do desastre social e económico da restauração do capitalismo na Ucrânia nas últimas duas décadas.

O PCP denuncia e condena a brutal ingerência e desestabilização dos EUA, da UE e da NATO na situação interna da Ucrânia que – promovendo e apoiando as forças de extrema-direita, neonazis e xenófobas e fomentando o exacerbar de tensões, de divisões e clivagens –, visa assegurar o domínio político, económico e militar deste imenso país, de forma a avançar na sua escalada de tensão e estratégia de confronto com a Federação Russa, realidade que representa uma acrescida ameaça à segurança e à paz na Europa e no Mundo.

O PCP alerta para o real significado e perigos que representam o avanço das forças de extrema-direita e de cariz fascista e neonazi na Ucrânia – no que constitui uma séria ameaça à democracia, aos direitos e liberdades e à própria integridade e soberania do país –, assim como chama a atenção para projectos que a pretexto da “ajuda externa” procuram impor gravosas condições económicas e políticas.

O PCP denuncia e rejeita a campanha e as acções anticomunistas e expressa a sua mais veemente condenação dos ataques perpetrados contra os militantes, dirigentes e sedes do Partido Comunista da Ucrânia, assim como das tentativas para limitar ou mesmo ilegalizar a actividade do Partido Comunista da Ucrânia.

O PCP reafirma a sua solidariedade aos trabalhadores e ao povo ucraniano, assim como ao Partido Comunista da Ucrânia e a todos os militantes e simpatizantes comunistas ucranianos e à sua luta em prol da paz, do bem-estar social, da soberania e independência da Ucrânia."

 

A casa do presidente da Ucránia: 

 

 

A luxuosa residência do presidente destituído, Viktor Ianukovich, está agora aberta ao público. O edifício é de estilo palácio barroco, com vários objectos cobertos em ouro.

publicado por José Manuel Faria às 09:14

26
Fev 14

 

Melhor Filme:

 

"12 Years a slave";

 

Melhor realizador: 

 

"American Hustle", Por David O. Russell;

 

Melhor Actor:

 

Bruce Dern, em "Nebraska";

 

Melhor actriz

 

Cate Blanchett, em "azul jasmim";

 

Melhor actor secundário:

 

Michael Fassbender, em "12 Anos a Slave";

 

Melhor actriz secundária:

 

Julia Roberts, em "August: Osage County";

 

Melhor argumento adaptado:

 

"12 Anos a Slave", Por Escrito John Ridley;

 

Melhor argumento original:

 

"Her", Escrito por Spike Jonze;

 

Melhor fotografia:

 

"Nebraska", Phedon Papamichael;

 

Melhor banda sonora original:

 

"A Canção da Lua" de "Her";

publicado por José Manuel Faria às 08:56

25
Fev 14

 

O trabalho de contar uma história pode ser incrivelmente penoso. Todas as perguntas que assolam o escritor: a maneira de contar, a razão para contar a história, quem a quererá ouvir. É este o foco principal deste filme de esperança, solidão, desespero, procura, a procura incansável de uma mãe por um filho. Ao fim de 50 anos a esperança não envelhece nem morre, muito menos. A história é a de Filomena, uma velha senhora irlandesa, solene na forma de andar, no semblante e encantadora na maneira de falar. Excessivamente humana, apesar da anca de titânio (para não enferrujar) que carrega, para ela todas as pessoas são boas e especiais por natureza e isto só lhe confere mais charme, fazendo com que nos afeiçoemos a ela e soframos com ela ao longo do tempo.

 

De Stephen Frears

 

O elenco:

 

Judi Dench, Steve Coogan, Sophie Kennedy Clark.

publicado por José Manuel Faria às 15:57

 

Francisco Assis:"A minha candidatura é evidentemente do bloco central e estruturante da esquerda portuguesa".

 

 - Uma candidatura abrangente do centro/direita à esquerda: quer dizer que Assis é pró/austeridade e defende o pacto orçamental, Assis é todo "laranja", laranja moderna. Assis quer ser o Rangel de 2009.

publicado por José Manuel Faria às 10:14

24
Fev 14


 

O Bloco de Esquerda considerou, este domingo, "preocupante" a escolha de Francisco Assis para encabeçar a lista europeia do PS, dizendo que o ex-líder parlamentar socialista é conhecido por defender o "Bloco Central" e atacar a esquerda.

publicado por José Manuel Faria às 11:43

publicado por José Manuel Faria às 08:31

23
Fev 14

 

«Golpada Americana» ***(3º)
«Capitão Philips»***(6º)
«O Clube Dalas»**(7º)
«Gravidade»
«Her»***(5º)
«Nebraska»****(2º)
«Philomena»***(4º)
«12 anos Escravo»- Óscar****(1º)
«O Lobo de Wall Street»*(8º)

publicado por José Manuel Faria às 10:36

 

Num futuro não muito distante, Theodore, um escritor solitário, adquire um novo sistema operativo projetado para corresponder a todas as necessidades do utilizador. Para sua própria surpresa, Theodore vê-se a desenvolver uma relação romântica nada convencional com esse mesmo sistema operativo. 

Um argumento original.

publicado por José Manuel Faria às 10:23

 

Quatro comentadores (semanais) residentes das televisões nacionais: Marcelo (Tvi); Marques Mendes(Sic); Santana Lopes (Tvi24) e Morais Sarmento (Rtp) são delegados ao Congresso do Psd – todos “notáveis”- as suas intervenções mostraram o quanto o partido de Passos Coelho lhes é importante. Esta, é prova da falta de isenção (propaganda) destes analistas: as televisões ao serviço do Partido. 

publicado por José Manuel Faria às 10:05

22
Fev 14

publicado por José Manuel Faria às 11:04

 

publicado por José Manuel Faria às 10:58

21
Fev 14

 

 

 

(...)dois pareceres do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados que afastam a possibilidade de o vereador socialista conciliar o cargo de vereador, com competências delegadas ou subdelegadas, com o exercício da advocacia. André Castro começou por referir que “pareceres há muitos e para todos os gostos” e afirmou o que já havia dito à Rádio Vizela, ou seja, que já interpôs recurso para o Conselho Superior da Ordem dos Advogados. Defendeu também, e deu com exemplo, que não admitia outra decisão como aquela que foi tomada no caso de Guilherme Aguiar. André Castro disse acreditar que em breve o assunto ficará resolvido" (...)

 

rádio vizela

publicado por José Manuel Faria às 08:24

20
Fev 14

 

"Só 39,3% dos inquiridos acreditam que há "propostas políticas credíveis que ponham fim à austeridade". Ou seja, a maioria, apesar de discordar do rumo seguido, não encontra nas propostas da oposição a solução para acabar com as duras medidas de austeridade que têm afectado milhões de portugueses".

jornal i

 

A prova de que é urgente, a esquerda unir-se para apresentar propostas realistas/pragmáticas alternativas à austeridade que convencem os portugueses ou teremos a direita a sugar o povo por mais quatro anos: 2015/2019.

publicado por José Manuel Faria às 09:12

publicado por José Manuel Faria às 08:49

19
Fev 14


publicado por José Manuel Faria às 17:20

Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9




Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Eu não digo que o JIC só se riu para os outdoors, ...
Lá estão os mesmos do costume. Se fazem vídeos em ...
Lol...opinar para no final nada fazerem... Enfim.....
Pois. Portugal era um país fascista.
O jornaleco é do polvo angolano, e anda por lá a e...
Na guerra colonial a Força Aérea também usou Napal...
Ó sr. MS, não estou de acordo consigo.Então o sr. ...
Parabéns MVS. Desta forma ninguém vai poder dizer ...
Anda tudo de venda...ou melhor de palas...por algu...
Pela primeira vez...deve haver engano....
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO