30
Set 16

 

publicado por José Manuel Faria às 18:05

Resultado de imagem para carlos costa pcp

30/09/2016--TV-RTP-3-- Imagens do Conselho de Estado realizado ontem : Com poucas excepções (refiro-me a Ramalho Eanes e talvez outros que não vi nas imagens), a pior escumalha estatal existente em Portugal, e entre elas os novos Conselheiros, Domingos Abrantes e Francisco Louçã !(...)

(...) CarlosCosta:

Domingos Abrantes, do p.c p, anticomunista e informador dos Sev.- Secr dos EUA, que denunciei numa reunião do C. C. do P.
C. P. // Francisco Louçã, anticomunista e trotzkista , ex-dirigente L.C.I. !
 
29/09/2016..TVI-24--Fernando Rosas, arma-se em arauto (nas suas palavras dos «anti-Stalinistas ». Mas não diz que foi expulso do Partido Comunista Português por trair miseravelmente os seus camaradas do P.C.P. [ consultar "Processo Fernando Rosas" na "Torre do Tombo"]
 

publicado por José Manuel Faria às 16:22

 

publicado por José Manuel Faria às 09:18

- filme belo e perturbador.Diva versus toxicodependente: relação edipiana. ****

publicado por José Manuel Faria às 08:41

29
Set 16

 

publicado por José Manuel Faria às 17:16

 

 Uma esquerda em tempo de Incerteza

publicado por José Manuel Faria às 10:37

Resultado de imagem para andar de cavalo para trás gifs

publicado por José Manuel Faria às 10:17

28
Set 16

Born to Run: AutobiografiaBruce Springsteen Ver todo o seu universo

  • Edição em Português Publicado em 09/2016
  • Expedido em 48h
«Escrever sobre nós próprios é complicado… Mas, num projeto como este, o escritor fez uma promessa: revelar a sua mente a quem o lê. Nestas páginas, foi o que tentei fazer.» Foram poucas as vezes em que um artista contou a sua própria história com tanta força e coragem, equilibrando o lirismo de...
Ler mais

publicado por José Manuel Faria às 22:52

Resultado de imagem para PS

"(...)A líder do Partido Socialista (PS) na AMV, no período destinado à intervenção dos deputados, foi quem lançou a bomba. “Vizela não se pode desenvolver à custa da opinião de alguns, nem pode florescer se tomarmos decisões que não ouvem o povo, mas sim alguém que quer falar por ele”, disse Agostinha Freitas, abrindo, desta forma, caminho para a moção de censura que viria a ser apresentada.

“Considera esta Assembleia de bom-tom, além de uma descarada violação do protocolo, que na visita do senhor Ministro da Economia a terras termais não tenha sido convidado nenhum membro desta Assembleia. E já nem digo os líderes ou os senhores deputados, mas nem o presidente da Assembleia Municipal?! E relativamente aos vereadores da Câmara, só lá estavam dois?! Eu olho para ali [mesa onde se encontrava o Executivo PS e os vereadores] e conto pelo menos cinco, fora aqueles que foram eleitos e não estão ali [referindo-se a Miguel Lopes que não se encontrava na sessão]. Os senhores presidentes da Junta também não foram convidados?! Estranho. É que olhando para as fotografias fico em crer que (…) os eleitos do poder Executivo desta cidade foram afinal as pessoas que fazem parte dos gabinetes e mais um conjunto de pessoas escolhidas segundo um critério que eu não consigo entender e que não faz qualquer sentido”.(...)"

(...)“O concelho de Vizela recebeu a visita do Ministro da Economia (…) lamentavelmente, e não obstante de se tratar de uma visita oficial de um membro do Governo e de cariz político-municipal, o senhor presidente da Câmara, na mesma linha de anteriores decisões, decidiu não convidar para o referido ato qualquer vereador - a não ser aqueles que tenham pelouros atribuídos -, qualquer membro da Assembleia Municipal, nem sequer o senhor presidente da Assembleia, qualquer presidente de Junta ou qualquer membro das Assembleias de Freguesia”. Segundo a moção lida por Agostinha Freitas, “o senhor presidente da Câmara transformou a visita oficial do Ministro da Economia num ato exclusivamente de cariz político-partidário no âmbito do qual apenas participaram os membros do Executivo em funções e de membros dos gabinetes de apoio da autarquia”.(...)

(...) Fernando Carvalho, presidente da AMV, decidiu que a mesa aceitaria a moção e decidiu colocar à consideração dos deputados a votação da mesma. Com isto, a moção acabou por “morrer na praia”, já que a coligação PSD/CDS-PP, a CDU e Armando Silva – deputado socialista – votaram contra a votação da moção. Os restantes membros do PS votaram a favor."

RV

publicado por José Manuel Faria às 16:20

 

publicado por José Manuel Faria às 09:31

O sol resplandecia sobre Lisboa, aquecendo-a e doirando-a. São palavras roubadas a um trecho das memórias de Raul Brandão – mas é assim exactamente que me lembro desse verão de 1974. Não tenho memória de um único dia de chuva nesses meses de Julho a Outubro em que estive de passagem pelo ‘rectângulo’ num caminho que levava de Nampula a Madrid.

Terminara em Maio a minha comissão militar na Pérola do Indico. O dia 25 de Abril, para mim e para muita gente em Moçambique, foi no dia 26. Na noite desse dia ouvi muito à puridade, num botequim de Montepuez, chamado à parte por um oficial do corpo de Comandos, a proclamação da Junta de Salvação Nacional, como se fosse um segredo militar.

 

A notícia era talvez fragorosa demais para uns delicados ouvidos estrangeiros: o ‘nosso’ General Spínola tinha tomado o poder em Lisboa. Aleluia!

Estava connosco C. F. Spence, um homem de negócios inglês, veterano conhecedor da África Austral que viveu muito tempo em Lourenço Marques (tenho aqui o exemplar que me ofereceu do seuMoçambique, East African Province of Portugal, com a sua dedicatória ao Alferes de então, numa caligrafia muito legível e em português correcto.) A notícia era talvez fragorosa demais para uns delicados ouvidos estrangeiros: o ‘nosso’ General Spínola tinha tomado o poder em Lisboa. Aleluia! Mas ainda não se sabia bem o que se passava.

O discurso de Marco António

Desembarquei em Lisboa a 22 ou 23 de Junho, com a chegada do verão desse Outono português. Durante as semanas que se seguiram não falei com muita gente. Passei-a maior parte desses dias na companhia do meu amigo Manuel Maria Múrias, dedicados ambos a uma única conspiração: a de publicar um jornal de ‘intervenção’, que só começou a sair em Setembro, o Bandarra, a que pusemos com mais fé do que excessiva esperança o subtítulo ambicioso de ‘o combate do futuro’.

A batalha contra a ‘descolonização exemplar’ já estava nesse verão quase definitivamente perdida e a luta contra a sovietização do que restava de Portugal talvez pareça hoje uma curiosidade supérflua.<br >

Foi na salinha pequena de uma casa alugada em Cascais para passar o mês de Agosto que o Manuel Maria nos leu ainda escrito à mão na sua letra redonda e regular o artigo ‘O discurso de Marco António’, que daria brado. Comoveu-nos. (Éramos assim em 1974.) Foi pretexto depois para um dos mais caricatos episódios da tragicomédia do 28 de Setembro.

Manuel Maria Múrias (1928-2000) foi um jornalista nacionalista e conservador que, antes do 25 de Abril, chegou a director da RTP e, depois, ajudou a fundar o jornal Bandarra, foi preso no 28 de Setembro, libertado apenas em Dezembro de 1975, fundou depois o semanário A Rua. Como director deste jornal foi inúmeras vezes processado por abuso de liberdade de imprensa, tendo sido o único jornalista português que cumpriu prisão efectiva, desde a revolução, a ter cumprido pena de prisão efectiva ao abrigo da lei da imprensa.

pai

Começava desta maneira: ‘Frontaria da Assembleia Nacional. Manhã cinzenta e triste. A multidão sussurrante transborda do grande largo. Trazendo nos braços um corpo exangue, Marco António surge no topo das escadarias. Arenga ao povo. – Amigos, portugueses, compatriotas: Trago-vos Portugal nos braços. Venho para os seus funerais – e não para o louvar. O mal das pátrias sustenta-se além da morte. O bem enterra-se com elas.(…) Seja assim com Portugal. Os drs. Mário Soares, Álvaro Cunhal e Sá-Carneiro (três honradíssimos cidadãos) permitiram que vos falasse. Disseram eles que a nossa Pátria, em oito séculos de história, quase só se portou mal. Reconheçamo-lo contritamente sem discutir: – os drs. Mário Soares, Álvaro Cunhal e Sá-Carneiro são três grandes personalidades que nos restituíram a liberdade. Quem somos nós para os contestar?’

 

A batalha contra a ‘descolonização exemplar’ já estava nesse verão quase definitivamente perdida e a luta contra a sovietização do que restava de Portugal talvez pareça hoje uma curiosidade supérflua.

NaNquela altura já tinha havido o caso Palma Carlos, primeiro-ministro do primeiro Governo Provisório, que se demitiu depois de declarar perante o Conselho de Estado: ‘Não que dmitiu depois de declarar perante o Conselho de Estado: ‘Não quero morrer como traidor à Pátria.’ Spínola era Presidente da República. Por sua vontade expressa, Álvaro Cunhal fizera parte desse primeiro governo provisório. Contra a sua vontade, o Coronel Vasco Gonçalves, a quem toda a gente atribuía simpatias comunistas (havia mesmo quem jurasse a pés juntos que tinha visto o seu cartão de membro do Partido… ) foi nomeado para o lugar de Palma Carlos.

Palácio de Belém no 28 de Setembro: populares do lado de fora do portão, um helicóptero militar estacion

publicado por José Manuel Faria às 09:01

27
Set 16

 

publicado por José Manuel Faria às 08:50

26
Set 16

 Klikar no artigo.

publicado por José Manuel Faria às 18:44

Assembleia de Freguesia de Tagilde e Vizela (S. Paio) esteve ontem reunida.

A Reorganização Administrativa do Território das Freguesias ditou a junção de Tagilde e Vizela (S. Paio), mas desde o início que foram várias as vozes que mostraram descontentamento com esta agregação.

A Assembleia de Freguesia de Tagilde e Vizela (S. Paio) vai enviar uma carta para a Assembleia da República para pedir a desagregação das duas freguesias. O assunto foi levantado ontem por Fátima Coelho, a presidente da Assembleia de Freguesia, que quis ouvir a opinião dos deputados sobre a matéria.(:::)

(...)

Em declarações à Rádio Vizela, a deputada da coligação entende que “se a população [num referendo] disser que não quer a agregação das freguesias, como tivemos nos últimos três anos, obviamente que terei que salvaguardar os interesses da população quer de Tagilde quer de S. Paio”.

O envio da carta para a Assembleia da República foi votado na Assembleia de Freguesia e contou com os votos a favor do PS e o voto contra da coligação PSD/CDS-PP.(...)

RV

 

ps: O povo é quem mais Ordena. Referendo, obviamente!

publicado por José Manuel Faria às 11:38

25
Set 16

Resultado de imagem para arabia saudita

 

GPA: Grupo Parlamentar de Amigos.

 

Amigo de inimigos?

 

A composição de alguns dos GPA também é curiosa. Se ao PSD de Passos Coelho é atribuída uma forte relação política com a chanceler da Alemanha, o presidente do grupo de amizade com este país é o socialista Pedro Delgado Alves. No GPA com a China - país de alguma forma criticado pelos investimentos feitos em Portugal no anterior governo -, o BE está ausente e é a secretária-geral adjunta do PS e deputada Ana Catarina Mendes quem assume a sua presidência.

O BE está igualmente ausente do GPA com Cuba - liderado pelo comunista António Filipe, e onde também se integra Heloísa Apolónia, do PEV -, ou com os EUA, presidido por Lara Martinho (PS), e que conta com António Filipe na sua composição, bem como com o Irão (gerido pelo social-democrata Adão e Silva e vice-presidido pela socialista Joana Lima).

No GPA com a Grécia, o BE preside (José Manuel Pureza) e as vice-presidências estão entregues a Inês Domingos (PSD) e a Sofia Araújo (PS), enquanto com a Palestina é Bruno Dias (PCP) quem lidera, contando ainda com a presença de deputados do PS, BE, CDS-PP e PEV.

Já com a Rússia, não é o PCP que naturalmente preside, mas sim Luísa Salgueiro, do PS, com as vice-presidências entregues a António Topa (PSD) e Paulo Sá (PCP). Só o CDS-PP acompanha estes partidos neste GPA.

Na amizade com Timor-Leste, estão todos os partidos parlamentares - excluindo naturalmente o PAN, como atrás referido -, à semelhança do que sucede com a Venezuela, presidido pelo BE.

Por fim, a criticada entrada da Guiné-Equatorial para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em 2014 já gerou um GPA, presidido por Pedro Alves (PSD), com as vice-presidências entregues a José Manuel Carpinteira (PS) e Abel Baptista (CDS-PP). O PSD e o PS distribuem-se igualmente pelos outros oito lugares deste grupo de amizade."

GPA

publicado por José Manuel Faria às 18:38

 

publicado por José Manuel Faria às 11:22

 

publicado por José Manuel Faria às 10:33

 

publicado por José Manuel Faria às 10:01

 

publicado por José Manuel Faria às 09:59

24
Set 16

Eu quero receber o dinheirinho que CMV me roubou : a taxa de rampa.

Post escrito no momento: 31/03/2007

http://rupturavizela.blogs.sapo.pt/80007.html

publicado por José Manuel Faria às 11:27

Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13




Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
RV Jornal- artigo"Obra da Rua Joaquim Costa Chicór...
E os outros?
Os camaradas do Bloco e do PCP devem estar radiant...
Quem escolhe mal as pessoas que os acompanham, têm...
Bar em matosinhos??? Que historia é essa?
como é possível que alguém que foi constituído arg...
Dinis Costa cantas bem mas não alegras.
Tão lindinhos, tão enfeitadinhos. Lamentavelmente ...
De recurso em recurso, com as férias judiciais pel...
Gente de má língua... O homem é um talento nato em...
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO