17
Mar 17

«A degola inocente de consoantes mudas tem originado um caos. Em muitos casos, não respeitando a etimologia também comum a outras línguas (p. ex., actor, factor, sector), permitindo a ambivalência de critérios e o (ab)uso de todo inaceitável do AO (facto, fato; pacto, pato, etc). Já o h no início de uma palavra - a mais muda consoante do nosso alfabeto - subsiste enquanto grafema, dizem os ideólogos do AO, por razões etimológicas. Noutros casos de mudez da consoante, este fundamento não interessa, no h já é decisivo. Haja coerência! Claro que homem sem h seria uma pena impedindo a existência de homens com H grande. E uma hora H, sem o inicial h? seria "Ora O"?»

António Bagão Félix, no Público

publicado por José Manuel Faria às 18:28

 

publicado por José Manuel Faria às 12:06

 

 

publicado por José Manuel Faria às 11:53

 

publicado por José Manuel Faria às 10:55

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


20



Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Eu não digo que o JIC só se riu para os outdoors, ...
Lá estão os mesmos do costume. Se fazem vídeos em ...
Lol...opinar para no final nada fazerem... Enfim.....
Pois. Portugal era um país fascista.
O jornaleco é do polvo angolano, e anda por lá a e...
Na guerra colonial a Força Aérea também usou Napal...
Ó sr. MS, não estou de acordo consigo.Então o sr. ...
Parabéns MVS. Desta forma ninguém vai poder dizer ...
Anda tudo de venda...ou melhor de palas...por algu...
Pela primeira vez...deve haver engano....
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO