16
Abr 08

A Plataforma Sindical já afirmou que houve um "apoio esmagador" dos professores ao memorando de entendimento com o Ministério da Educação, depois dos mais de 1300 debates realizados esta quarta-feira nas escolas do país. Mesmo assim, um número muito significativo de escolas chumbou o entendimento, algumas delas publicadas nesta lista. No parlamento, Ana Drago lembrou à Ministra a chantagem que exerceu sobre escolas e professores, assinalando que "comprou algum tempo de vida" com o acordo estabelecido.

 

in esquerda.net

 

 

Os sindicatos podem dizer que o apoio ao acordo com o ME foi esmagador, contudo dezenas de escolas, muitas de Braga estão contra. Como disse em post anterior esta divisão pode enfraquecer a classe , e o governo aplaude.

Houve recuo do governo quanto ao processo de avaliação, mas dossires importantes como: o estatuto da carreira docente e gestão das escolas ficaram na mesma, por isso o governo não "perdeu" tudo, a luta dos professores deveria continuar

publicado por José Manuel Faria às 11:02

6 comentários:
Como não percebo muito desses casos de politica venho só dizer que a Ana Drago podia muto bem estar neste post também: ‘A esquerda não tem gosto para escolher mulheres’
1/2Kg de Broa a 16 de Abril de 2008 às 14:30

Em conversa amena com um amigo eu, dizia-me que sabia de uma provável "fonte segura" ? , que o acordo foi monopolizado pelos sindicatos. Isto é, a ministra cedeu em muitos pontos oficializados e noutros não oficializados. E o acordo conclui-se com um exigência onde a ministra combinou que "o que seria oficial do acordo" era uma conquista para o ministério e os sindicatos asseveravam, com a contrapartida da implementação dos pontos não oficiais do acordo a curto e médio prazo.

As palavras valem o que valem mas não (des)confirmo.
Marco Gomes a 16 de Abril de 2008 às 16:05

Claro que podia 1/2 kg. Desta vez dei "protagonismo" à Joana A. Dias. Quando estviver com a Ana Drago, vou-lhe falar de ti. Posso?
José Manuel Faria a 16 de Abril de 2008 às 17:25

Ora essa, sinta-se no direito.
1/2Kg de Broa a 16 de Abril de 2008 às 17:27

Marco Gomes. Estes acordos têm sempre cedências de lado a lado. Há muitos profs insatisfeitos, essa é que é a verdade.
José Manuel Faria a 16 de Abril de 2008 às 17:28

O meu colega Francisco Santos [ http://fjsantos.wordpress.com/2008/04/14/os-interesses-do-governo-a-contra-informacao-e-os-professores-ingenuos/ ] toca na ferida:

"o que pretendem alguns movimentos e professores que se insurgem contra a assinatura deste entendimento entre a Plataforma de Sindicatos e o ministério? Que alternativas propõem estes senhores aos 7 mil professores que precisam de uma classificação de serviço este ano? E que alternativas sugerem para os restantes 140 mil se não houver assinatura de nenhum protocolo de entendimento?

Se não houver assinatura do documento, centenas ou milhares de contratados e professores que mudam de escalão poderão ser avaliados de acordo com procedimentos máximos. Para não falar das famosas escolas de Leiria, de Seia e de Portalegre, aqui ao pé de mim conheço duas em que já havia aulas assistidas marcadas e mais de trinta parâmetros para avaliar. É isso que os movimentos de professores querem?

E alguém tem a garantia de que a DGRHE iria aceitar os procedimentos mínimos a todas as escolas? É correr esse risco que os movimentos de professores querem?

Aplicado este ano o modelo máximo em meia dúzia, uma dúzia, uma centena de escolas, como é que conseguiríamos que o governo se sentasse à mesa para alterar o modelo no ano de 2008/09? É desta cedência que falam os movimentos de professores? É esse risco de não ter nada para negociar, porque o modelo já foi aplicado este ano, que os movimentos de professores querem correr?

Porque é que os movimentos de professores se insurgem contra a presença dos representantes sindicais numa comissão paritária, na qual já têm assento os professores-fantoches do Conselho de Escolas, mais a IGE e uns quantos amigos do CCAP? Será que os movimentos de professores preferiam não ter nessa comissão nenhum representante sindical?

Sem a assinatura do entendimento, os contratados com menos de 4 meses não veriam o seu tempo contado, as classificações de Regular e Insuficiente seriam desde já penalizadas, os conselhos gerais provisórios teriam que ser já eleitos, a formação contínua teria que continuar a ser feita aos sábados, domingos, à noite e nas férias. Era isto que os movimentos de professores queriam?

Respondam a estas questões com toda a honestidade e sinceridade. Os professores que amanhã vão estar nos plenários precisam de saber se os movimentos de professores defendem avaliações diferenciadas nas escolas, os contratados penalizados, a formação nas horas livres, para em consciência poderem optar pela ratificação ou não do memorando e pela aprovação ou não da moção que a Plataforma Sindical pôs à discussão para o Dia D."

Miguel Pinto a 16 de Abril de 2008 às 23:15

Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Gostava, mas nunca saberá pois isto da política é ...
Só gostava de saber qual o valor que JP recebeu.
Há muitos anos que este persegue um.......(tacho)....
Que engraxador ridículo...
Bem foi avisado que...apostou no cavalo errado. P...
Grande masturbação dialética. Não te trates!!!Os s...
Mas então explique -me lá: já que sabe de tudo o q...
MM à procura de tachinho. Tadito. Ignora que Roma ...
Este sim...Foi um Primeiro Ministro às sérias e......
Pergunta para o José Manuel Faria e para os que se...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

10 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO