13
Set 08

http://image.guardian.co.uk/sys-images/Guardian/Pix/steve_bell/2005/09/20/steve512.jpg

Em 2009 será ano “cheio” de eleições: Europeias, Autárquicas e Legislativas. As primeiras darão uma indicação geral do comportamento do eleitorado, pouco participativas, os níveis de abstenção poderá atingir os 50%. Quase todos os partidos legais entregam-se à luta, os candidatos poucos (algumas dezenas), o tempo de antena propício às propostas “europeias”, quase nenhum abordará assuntos sobre a União. Este é o primeiro round de ataque flamejante ao PS. O PSD dificilmente ganha pontos. O centrão é muito igual. As esquerdas têm oportunidade de ouro para crescer. Imprescindível cabeças de Lista mediáticos e correr o País abanando consciências populares adoptando uma estratégia de confronto directo sobre o mal da ratificação do Tratado Europeu, a falta de políticas sociais e o ataque aos bolsos do cidadão do Banco Central Europeu.

 

As autárquicas são um mundo à parte, 308 eleições onde os primeiros candidatos contam mais que a identificação das listas. Os vencedores nas grandes autarquias serão embalados para as legislativas com moderação. O eleitor distingue o coração da razão. Em Vizela com a possibilidade de entrada de uma ou mais listas independentes pode baralhar as contas do Poder socialista. O desgaste do PS e do seu candidato natural aliada a uma estratégia inteligente das oposições pode quebrar dez anos de mais do mesmo, estas juntamente com um PSD aguerrido, um PCP renovado e o BE atrevido apresentando candidaturas surpresas, propostas orçamentadas e diferentes causará um rombo no elevado número de vereadores “rosa”. A expectativa é elevada e a vontade de mudança uma necessidade num dos Concelhos mais cor-de-rosa do País.

 

O momento pelo qual os portugueses esperam com maior ansiedade é as eleições legislativas. Sócrates tende a parar as privatizações, aumentar pensões, a sossegar a função pública ou fazer crescer salários com intuito claro de virar à esquerda aliciando os Alegristas. O PSD com esta direcção credível, mas silenciosa. Um CDS moribundo com tendência a desaparecer fará da direita pêra doce ao actual Primeiro-ministro. É a esquerda que vai rasgar a arrogância do todo-poderoso e infalível PM. O PCP a recuperar votos perdidos na massa trabalhadora com a sua máquina reivindicativa sindical. E o Bloco de Esquerda a entrar no eleitorado socialista da função pública assim como no operariado que se diz PS desde sempre a castigar o apertar de cinto. O PS pode vencer as legislativas, mas terá um Parlamento maioritário “hostil”. O PS terá de descer à terra e ceder com ou sem negociações.

 

publicado por José Manuel Faria às 12:43

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Lista única.Vai ter muitas dificuldades em ganhar:...
Ó Gury pensei que tinhas emigrado.........Ó Gury t...
Por acaso, eu acho que se trata de uma excelente a...
Ainda bem que saltei fora do barco enquanto uns se...
Coitado do PS Vizela, a Dora a Presidente !!!!!!!!...
Então não são 800 mil euros, não é verdade, eminên...
Anónimo a 12 de Janeiro de 2018 às 11:11Se fosse a...
Um orçamento com mais de 3 milhões de lucro e não ...
Recorde prof. que a redução do IMI a pagar 2018 f...
O resto do entulho, sim, porque o entulho já foi a...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

12 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO