16
Set 08

http://www.oconquistador.com/fotos/91/1107.JPG

Os médicos começam a ser assediados logo no último ano da sua formação específica (internato) por empresas privadas de médicos que lhes oferecem chorudos pagamentos para realizarem horas em hospitais carenciados de clínicos, denunciou o presidente do Conselho Nacional do Médico Interno

 

As Universidades do Estado formam os médicos quer dizer os contribuintes pagam a quase totalidade do curso e a vantagem que têm é pagar a altos valores  consultas no privado ou os Doutores receberem muito  mais nos Hospitais públicos.

E a Ordem dos médicos cala-se!

Um modo de resolver esta situação injusta seria:

Os alunos na selecção da Universidade onde o curso  funciona teriam que optar entre trabalhar no privado ou no público. Caso optassem pelo privado fariam a sua formação em hospitais privados e vice-versa. Os salários dos médicos a exercer no público teriam de ser mais altos.

Qual o governo que optaria por esta solução?

Com os professores o processo deveria ser idêntico.

publicado por José Manuel Faria às 10:56

4 comentários:
-Em primeiro lugar, que razões válidas impedem a abertura dum curso de medicina em univ . privadas? Certificando os cursos e garantida a qualidade, que ninguém quer formar médicos nas novas oportunidades como é óbvio. Parece-me que a formação dum maior número de médicos resolveria o problema, não existem nas faculdades de Direito, grandes escritórios aliciando alunos no último ano, a demovê-los duma carreira na magistratura por exemplo. Regulação a mais dá nisto.
António de Almeida a 16 de Setembro de 2008 às 15:00

Portugal tem 324 médicos por cada 100 mil habitantes; Cuba conta com 591 médicos por cada 100 mil habitantes.
Resultado: são muitos os portugueses que recorrem a hospitais cubanos!
Mais importante que contratar técnicos desportivos (um exemplo: o cubano
Juan Díaz na selecção de voleibol), deve-se é contratar técnicos cubanos de saúde, para que Portugal possa alcançar um valor próximo dos 591.
Também é necessário combater a ORGANIZAÇÃO TERRORISTA vulgarmente conhecida por Ordem dos Médicos: esta organização procura impedir que sejam formados mais médicos... para que os médicos possam ter acesso a um vencimento de 2500 euros por dia!
Anónimo a 16 de Setembro de 2008 às 15:31

O corporativismo grassa na Saúde em Portugal.

O Estado comparticipa o curso por completo e não recebe nada em troca. Tanto na formação em medicina como em outras formações. Um pouco de retribuição (dentro de certos parâmetros) ao Estado que financiou a formação era é justo.

Particularmente, alguém me pode explicar o 'direito' do Estado em fornecer uma especialização e um 'posto' vitalício na função público mal acabe a especialização? Possivelmente será consequência das políticas de proteccionismo de classe' por parte da 'organização terrorista' (Ordem dos médicos), que esquece os seus estatutos e assemelha-se a um sindicato.

Concordo com a ideia do sector privado financiar a formação dos seus especialistas, assim era menos uma promiscuidade nesta área.

Para não me referir aquilo que é o maior princípio de desigualdade no ensino superior: o condicionamento do curso de medicina (o único condicionado ao ensino público em Portugal).

Outro ponto: Não vejo nenhum, mas mesmo nenhum, problema em haver médicos ou outro tipo de profissão em excesso (mediante as necessidades do País). O problema (como acontece) é a falta destes.

Esquecem-se do legado da revolução de Maio 68, naquele tempo também se lutou para mudar a forma de ensino superior. Lutou-se para que o ensino superior não fosse meramente uma formação tecnocrática e com o objectivo d suprir as necessidades laborais de um País. O ensino é algo mais. É a passagem do esclarecimento e de sabedoria a alguém. É a passagem de ferramentas não a criação destas.
Marco Gomes a 16 de Setembro de 2008 às 18:21

E são os únicos? Um engenheiro por exemplo acaba o curso e vai trabalhar para onde? normalmente para o privado, no entanto o curso foi pago pelo estado. Um professor acaba o curso e vai trabalhar para onde? uns para o público, outros para o privado e outros para o desemprego e quem quem pagou o curso foi o estado.

Por isso a situação é perfeitamente normal. Porém o professor tem razão em questionar se os privados devem ou não financiar a formação. Aí concordo, as empresas, à semelhança do que acontece em muitos países também devem acarretar a responsabiliadde de formar quadros superiores.
Jorge Miranda a 16 de Setembro de 2008 às 22:40

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Lista única.Vai ter muitas dificuldades em ganhar:...
Ó Gury pensei que tinhas emigrado.........Ó Gury t...
Por acaso, eu acho que se trata de uma excelente a...
Ainda bem que saltei fora do barco enquanto uns se...
Coitado do PS Vizela, a Dora a Presidente !!!!!!!!...
Então não são 800 mil euros, não é verdade, eminên...
Anónimo a 12 de Janeiro de 2018 às 11:11Se fosse a...
Um orçamento com mais de 3 milhões de lucro e não ...
Recorde prof. que a redução do IMI a pagar 2018 f...
O resto do entulho, sim, porque o entulho já foi a...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

12 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO