28
Jan 07

Vestígios

 

noutros tempos
quando acreditávamos na existência da lua
foi nos possível escrever poemas e
envenenávamo nos boca a boca com o vidro moído
pelas salivas proibidas noutros tempos
os dias corriam com a água e limpavam
os líquenes das imundas máscaras
hoje
nenhuma palavra pode ser escrita
nenhuma sílaba permanece na aridez das pedras
ou se expande pelo corpo estendido
no quarto do zinabre e do álcool pernoita se
onde se pode num vocabulário reduzido e
obsessivo até que o relâmpago fulmine a língua
e nada mais se consiga ouvir
apesar de tudo
continuamos a repetir os gestos e a beber
a serenidade da seiva vamos pela febre
dos cedros acima até que tocamos o místico
arbusto estelar
e
o mistério da luz fustiga nos os olhos
numa euforia torrencialo.

publicado por José Manuel Faria às 14:39

comentário:
poesia fantástica.
NELY a 28 de Janeiro de 2007 às 22:03

Janeiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
Ó Gury pensei que tinhas emigrado.........Ó Gury t...
Por acaso, eu acho que se trata de uma excelente a...
Ainda bem que saltei fora do barco enquanto uns se...
Coitado do PS Vizela, a Dora a Presidente !!!!!!!!...
Então não são 800 mil euros, não é verdade, eminên...
Anónimo a 12 de Janeiro de 2018 às 11:11Se fosse a...
Um orçamento com mais de 3 milhões de lucro e não ...
Recorde prof. que a redução do IMI a pagar 2018 f...
O resto do entulho, sim, porque o entulho já foi a...
Podia ter aproveitado para mandar alguns no meio d...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

12 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO