17
Mar 17

«A degola inocente de consoantes mudas tem originado um caos. Em muitos casos, não respeitando a etimologia também comum a outras línguas (p. ex., actor, factor, sector), permitindo a ambivalência de critérios e o (ab)uso de todo inaceitável do AO (facto, fato; pacto, pato, etc). Já o h no início de uma palavra - a mais muda consoante do nosso alfabeto - subsiste enquanto grafema, dizem os ideólogos do AO, por razões etimológicas. Noutros casos de mudez da consoante, este fundamento não interessa, no h já é decisivo. Haja coerência! Claro que homem sem h seria uma pena impedindo a existência de homens com H grande. E uma hora H, sem o inicial h? seria "Ora O"?»

António Bagão Félix, no Público

publicado por José Manuel Faria às 18:28

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


20



Visitas
Visitor Counter
comentários recentes
O professor onde se baseia para atribuir estas pon...
Messi é simplesmente FABULOSO, o melhor dos melhor...
Mas quem o impede de achar que o Messi " é mago" ....
Aí essa dor de cotovelo, o BE está-lhe atravessado...
O JIC está com o mesmo discurso que o Dinis tinha ...
O JIC não vai ter essa pontuação. Anda a dizer as ...
Prof, o que quer dizer esta classificação? A Colig...
Parece que o candidato é o Manel. Parece porquê? N...
Democracia é respeitar é a opinião dos outros, res...
""Vamos lá a saber: nestas eleições p´rá vila o ca...
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO