19
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 12:13

18
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 12:08

publicado por José Manuel Faria às 11:37

17
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 12:27

16
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 12:20

15
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 12:31

publicado por José Manuel Faria às 11:54

14
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 11:16

 

"Lembro-me de ser miúdo, olhar para um estádio de futebol cheio e pensar angustiado que aquelas pessoas iam ser todas destruídas porque se calhar nenhuma era Testemunha de Jeová", lembra Vítor Máximo. "As Testemunhas de Jeová acreditam que o mundo de Satanás vai acabar e que só elas sobreviverão ao Armagedão, passando com vida para o Paraíso", explica M.M., ex-ancião, um dos mais altos cargos na hierarquia da organização, que pede anonimato com receio de represálias para a família, que continua na religião.

 

Todos os crentes são habituados a esperar pelo fim do mundo desde crianças. A essa permanente angústia, os miúdos juntam as várias coisas que estão impedidos de fazer na escola e o pavor de ofender Jeová. Entre as proibições (como aos adultos), estão a celebração de aniversários, Carnaval, Páscoa, Natal, fim de ano e todas as outras datas de origem pagã, que a religião despreza porque, conforme explica à SÁBADO Pedro Candeias, um dos representantes da organização em Portugal, não são mencionadas nas Escrituras.

TJ

publicado por José Manuel Faria às 10:50

13
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 11:33

publicado por José Manuel Faria às 11:29

12
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 12:01

publicado por José Manuel Faria às 11:58

11
Abr 19

Capítulo IV
Região Administrativa


Artº 255º
(Criação legal)


As regiões administrativas são criadas simultaneamente, por lei, a qual define os respectivos poderes, a composição, a competência e o funcionamento dos seus órgãos, podendo estabelecer diferenciações quanto ao regime aplicável a cada uma.

Artº 256º
(Instituição em concreto)


1. A instituição em concreto das regiões administrativas, com aprovação da lei de instituição de cada uma delas, depende da lei prevista no artigo anterior e do voto favorável expresso pela maioria dos cidadãos eleitores que se tenham pronunciado em consulta directa, de alcance nacional e relativa a cada área regional.
2. Quando a maioria dos cidadãos eleitores participantes não se pronunciar favoravelmente em relação a pergunta de alcance nacional sobre a instituição em concreto das regiões administrativas, as respostas a perguntas que tenham tido lugar relativas a cada região criada na lei não produzirão efeitos.
3. As consultas aos cidadãos eleitores previstas nos números anteriores terão lugar nas condições e nos termos estabelecidos em lei orgânica, por decisão do Presidente da República, mediante proposta da Assembleia da República, aplicando-se, com as devidas adaptações, o regime decorrente do artigo 115º.

Artº 257º
(Atribuições)


Às regiões administrativas são conferidas, designadamente, a direcção de serviços públicos e tarefas de coordenação e apoio à acção dos municípios no respeito da autonomia destes e sem limitação dos respectivos poderes.

Artº 258º
(Planeamento)


As regiões administrativas elaboram planos regionais e participam na elaboração dos planos nacionais.

Artº 259º
(Órgãos da região)


Os órgãos representativos da região administrativa são a assembleia regional e a junta regional.

Artº 260º
(Assembleia regional)


A assembleia regional é o órgão deliberativo da região e é constituída por membros eleitos directamente e por membros, em número inferior ao daqueles, eleitos pelo sistema da representação proporcional e o método da média mais alta de Hondt, pelo colégio eleitoral formado pelos membros das assembleias municipais da mesma área designados por eleição directa.

Artº 261º
(Junta regional)


A junta regional é o órgão executivo colegial da região.

Artº 262º
(Representante do Governo)


Junto de cada região pode haver um representante do Governo, nomeado em Conselho de Ministros, cuja competência se exerce igualmente junto das autarquias existentes na área respectiva.

Artº 298º
(Regime aplicável aos órgãos das autarquias locais)


Até à entrada em vigor da lei prevista no nº 3 do artigo 239º, os órgãos das autarquias locais são constituídos e funcionam nos termos de legislação correspondente ao texto da Constituição na redacção que lhe foi dada pela Lei Constitucional nº 1/92, de 25 de Novembro. 

publicado por José Manuel Faria às 12:03

publicado por José Manuel Faria às 11:46

10
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 18:15

09
Abr 19

“O problema foi criado pelo Governo, o Governo tem instrumentos para o resolver, pode enviar uma proposta de lei ao parlamento”

publicado por José Manuel Faria às 18:33

08
Abr 19

publicado por José Manuel Faria às 11:51

publicado por José Manuel Faria às 11:47

07
Abr 19

 

O é uma referência nacional. Estamos a 8 semanas das europeias e, das 48 páginas, tem 1 rodapé sobre europeias, que é parte de uma entrevista a Carlos Moedas (pela , que já agora recomendo), e 2 páginas sobre Brexit.

publicado por José Manuel Faria às 11:18

Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


comentários recentes
Grupos: 4+4+4+5 - 17 listas. Vários canais. É difí...
Como todas as religiões tem muita coisa negativa, ...
Queria que fossem a quantos a 10 , a 15, a 20, era...
Então já esta pulicado no site da CMV a verba para...
Carlos Alberto Costa fala muito bem no seu faceboo...
O edil vizelense, que na última reunião de Câmara ...
Tretas, no anterior governo era boca corrente que ...
. Uma parceria entre a Câmara Municipal de Vizela,...
“Esta Câmara passa a vida a criticar o passado qu...
…. deixem Vizela em paz…….pelos vistos quem deixo...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

14 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO