18
Mai 11

 

 

 

«Eu gostaria realmente de ser judeu mas descobri que na verdade tenho origem nazi. Sabem, porque a minha família era alemã, Hartmann, o que também me dá um certo prazer», declarou, respondendo a uma pergunta sobre a origem alemã de sua família"

 

«Eu compreendo Hitler. Acho que ele fez algumas coisas erradas, sim, com certeza, mas eu consigo vê-lo sentado no seu bunker no final»,

 

«Estou apenas a dizer», tentou explicar Von Trier, «que acho que entendo este homem. Ele não é o que se poderia chamar de um tipo porreiro, mas sim, eu entendo muito a seu respeito, e sinto por ele um pouco de compaixão, sim. Mas vá lá, não sou a favor da Segunda Guerra Mundial. E não sou contra os judeus».

 

«É claro que gosto muito dos judeus - mas nem tanto, porque Israel é uma ‘pedra no sapato’. Mesmo assim - como é que eu termino esta frase? - eu apenas gostaria de dizer, sobre a arte, que gosto muito de Speer», afirmou, destacando o «talento» do arquiteto nazi, condenado por crimes contra a humanidade."

publicado por José Manuel Faria às 16:15

Em primeiro lugar, obviamente um filme a não perder, como todos deste realizador, dos poucos a quem passo um cheque em branco, ou seja, não preciso ler uma crítica ou saber algo, para querer ver o filme...
Compreender Hitler não significa forçosamente admirá-lo. Porque razão procuramos conhecer e compreender Alexandre, César ou Napoleão, mas não poderemos fazer o mesmo em relação a Hitler, sem o julgarmos? Hitler, Estaline, Mao ou qualquer outro criminoso deve ser estudado e compreendido, até para evitarmos que a história de repita.
Qualquer pessoa com um mínimo de sensibilidade artística não poderá ficar indiferente a Albert Speer, em primeiro lugar tenho alguma relutância em classificá-lo como criminoso de guerra, para isso teria que fazer o mesmo em relação a todos os nazis e não apenas aos que praticaram crimes contra a humanidade. A definição de criminoso de guerra não deve ser aplicada a todos os que defenderam um lado, normalmente o vencido, curiosamente nunca vi alguém ser julgado por crimes de guerra do lado dos vencedores, mas sabemos como é a hipocrisia nestas alturas. Albert Speer era de facto próximo de Hitler, tal como Leni Riefenstahl, uma brilhante cineasta a quem impediram de trabalhar, com prejuízo para a 7ª arte. Herbert Von Karajan ou Ferdinand Porshe não tiveram o mesmo destino, e pelo menos em relação à última, não cometeram mais nem menos crimes. Já alguns cientistas como Klaus Fuchs, foram parar à URSS ou Werner von Braun aos EUA, sem serem incomodados... Enfim!
Venha mas é o filme, que mais uma vez quero ver a obra de um dos meus realizadores preferidos...
António de Almeida a 18 de Maio de 2011 às 19:03

Verdade que das suas obras nada leva a crer que pudesse ser neonazi. Mas não vejo problema algum em estudar e compreender esse período. Se estudamos Roma, Grécia, Egipto ou mesmo a Idade Média sem julgarmos as figuras históricas, porque não poderemos fazer o mesmo em relação a um período que felizmente já terminou há perto de 70 anos?

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





comentários recentes
Ainda bem que quando toca a "engolir sapos" toca a...
Existem certas pessoa que deviam ser mais discreta...
Gostaria de ler, mas o seu texto não aparece.Se lh...
Alguém pode informar o porquê da RC não ser presen...
Alegadamente quem sabe se é desta vez que o AG vai...
Realmente na politica o que hoje é verdade amanhã ...
Achei muito interessante atualmente esta sua posta...
Venho aqui fazer o apelo para que os responsáveis...
Não interessa se é verdade se é mentira,!!!!!!!!!!...
Fez muito bem a Sr.ª Vereadora Fátima Andrade, par...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO