27
Jun 11

 

Todos os movimentos sociais e políticos que entrem no debate na reflexão e construção de uma unidade das esquerdas para conquistar o poder: são bem/vindos.

 

A Convergência e Alternativa é um exemplo.

 

Manifesto:

 

“Em plena crise financeira, somos chamados a eleger um novo governo. O que fazer? Votamos “como de costume” e esperamos resignadamente por um governo de coligação PS-PSD-CDS que virá aplicar a austeridade selvagem imposta pela UE/FMI?

Ao contrário do que nos dizem a toda a hora na televisão, o programa de austeridade imposto pela EU/FMI não vai retirar o País da crise. Quem está atento sabe que a Grécia e a Irlanda viram agravar o desemprego e as suas dívidas. Mais ainda, se quisessem vender hoje títulos de dívida pública, teriam de pagar taxas de juro tão ou mais elevadas que as do momento em que pediram “ajuda”.

Políticos e comentadores de economia insistem que é inevitável, que temos de acalmar os mercados, mesmo que nos afundemos numa espiral de cortes na despesa pública, recessão, mais desemprego, mais dívida, novos cortes na despesa pública, até não se sabe quando. Outros explicam que, por já não termos moeda própria para desvalorizar, teremos de reduzir os salários, as pensões de reforma e os preços em vinte ou trinta por cento para que a economia seja competitiva e possa crescer. Estranhamente, nunca apresentam os exemplos de aplicação bem sucedida de tal política.

Os problemas económicos, financeiros e sociais que vivemos têm causas externas e internas que se entrelaçam. Por um lado, a UE recusa criar um orçamento federal e um tesouro que emita dívida europeia, criando assim as condições perfeitas para que os especuladores ponham em causa a sustentabilidade da zona euro. Por outro lado, os partidos que têm governado o País são também responsáveis pela presente crise através das políticas erradas que executaram e da gestão ineficiente ou pouco transparente dos recursos públicos, por vezes em suspeita convergência com poderosos interesses privados.

Portugal não pode continuar a ser adiado. Um grupo de cidadãos, com e sem filiação partidária, após uma ponderada reflexão sobre a gravidade da presente situação e os bloqueamentos políticos que impedem a sua superação, tomou a decisão de levantar a voz e dizer bem alto que podemos seguir outro caminho. Acreditamos que é possível construir uma «Convergência e Alternativa» de ideias, pessoas, organizações, movimentos sociais e partidos da esquerda que seja capaz de oferecer ao País um governo de ruptura com a austeridade selvagem que a UE vai impor. Urge lançar um debate público sobre os valores, princípios e linhas de força de uma política económica alternativa.

Para apoiar esse debate, está em preparação um texto programático que constituirá uma referência para todos os que queiram empenhar-se na construção dessa «Convergência e Alternativa». No entanto, face à importância que, no debate eleitoral que se avizinha, deve assumir a apresentação de verdadeiras alternativas, decidimos avançar de imediato com a publicação das nossas opções sobre quatro problemas cruciais: Portugal e a zona euro; o problema da dívida; desemprego; desigualdade e pobreza.”

 

http://www.convergenciaealternativa.com/

 

A quase totalidade dos promotores são conhecidos assim como os seus pensamentos políticos: O BE como partido aberto aos movimentos deve dialogar, debater e reflectir com este “grupo” no sentido de criar pontes políticas para se concretizar a “esquerda grande”.

publicado por José Manuel Faria às 10:06

2 comentários:
Muitos destes subscritores têm apoiado acções do BE , alguns apoiaram o Pureza na sua recandidatura á Assembleia da Republica, por isso há dialogo.

Quanto ás declarações de alguns promotores causam-me alguma perplexidade, estarão a preparar a fundação de um novo partido?

Querem ser um partido de esquerda que queira ser poder, por contraponto a outros partidos de esquerda que não quereriam ser poder?

Ser poder com que programa e objectivos?

Muitas dúvidas.....

Não estaremos na presença de mais uma tentativa de uma serie de pessoas estarem a preparar-se para nas próximas eleições serem independentes em listas do PS?

Apesar de todas estas duvidas, quanto ao dialogo feito com cada um individualmente ou com um conjunto, não tenho nada contra .

a.pacheco a 27 de Junho de 2011 às 12:07

Estes senhores da C.e A.se são de esqerda, que se unam á esquerda representativa que está em são Bento,ela defende o que eles querem. .
Verdadeira esquerda a 27 de Junho de 2011 às 23:18

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





comentários recentes
Quem quer baixar , uma parte do PS, o CDS e o PCP,...
Ferro Rodrigues reagiu assim como toda a sociedade...
E o que o leva a tirar semelhante conclusão...O po...
O Tiago Mota Saraiva , anda zangado com o seu part...
Não, muito menos, porque feito com cabeça, tronco ...
-Festas que se repetiram, só que com muito mais qu...
Festas? Que festas? Repara bem: Festas de Vizela, ...
Sr. Alberto li a entrevista e continuo sem ver pl...
Reunião de Câmara-Victor Hugo Salgado avançou que ...
Muito bem dito Srº Alberto Pinto.
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

13 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO