14
Fev 11

 

"A favor desta revisão administrativa está Victor Cunha. O líder do Bloco de Esquerda de Vizela defende que “a economia do país não produz o suficiente para manter a máquina administrativa que é demasiado pesada para a riqueza que é gerada”. “Isso faz com que sejam os portugueses e os vizelenses a terem que pagar do seu bolso uma máquina obsoleta, que não nos leva a lado nenhum”, afirmou o político, referindo ainda que o BE só aceitará a redução de deputados após a regionalização. Sobre a redução do número de freguesias, Victor Cunha, depois da proposta chumbada na Assembleia Municipal, continua a defender que “com a CMV as freguesias de S. Miguel e S. João não precisavam de existir”. “Sabíamos que a proposta ia ser chumbada, porque ao nível local, PS e PSD são farinha do mesmo saco. Mas continuamos a acreditar que a razão nos assiste”, concluiu."


in Rádio Vizela

 

As freguesias de S. Miguel e de S. João têm de continuar administrativamente independentes.

As suas histórias, costumes, tradições, paisagens e gentes distinguem-se o que torna Vizela (urbe) mais rica.

As Juntas de freguesia possuem órgãos e competências próprias que fazem sentido, mesmo no século XXI.

Deve ser sempre, o presidente de junta a verificar “in loco” os buracos da rua, a necessidade do pré/primário ou receber a queixa da falta de visibilidade na curva da rua X.

As despesas com o pessoal político e administrativo das Juntas passam entre pingos de uma tempestade de custos públicos exagerados porque mal geridos.

publicado por José Manuel Faria às 11:08

 

"Esta mão que escreve a ardente melancolia
da idade
é a mesma que se move entre as nascentes da cabeça,
que à imagem do mundo aberta de têmpora
a têmpora
ateia a sumptuosidade do coração. A demência lavra
a sua queimadura desde os recessos negros
onde
se formam
as estações até ao cimo,
nas sedas que se escoam com a largura
fluvial
da luz e a espuma, ou da noite e as nebulosas
e o silêncio todo branco.
Os dedos.
A montanha desloca-se sobre o coração que se
alumia: a língua
alumia-se. O mel escurece dentro da veia
jugular talhando
a garganta. Nesta mão que escreve afunda-se
a lua, e de alto a baixo, em tuas grutas
obscuras, a lua
tece as ramas de um sangue mais salgado
e profundo. E o marfim amadurece na terra
como uma constelação. O dia leva-o, a noite
traz para junto da cabeça: essa raiz de osso
vivo. A idade que escrevo
escreve-se
num braço fincado em ti, uma veia
dentro
da tua árvore. Ou um filão ardido de ponta a ponta
da figura cavada
no espelho. Ou ainda a fenda
na fronte por onde começa a estrela animal.
Queima-te a espaçosa
desarrumação das imagens. E trabalha em ti
o suspiro do sangue curvo, um alimento
violento cheio
da luz entrançada na terra. As mãos carregam a força
desde a raiz
dos braços, a força
manobra os dedos ao escrever da idade, uma labareda
fechada, a límpida
ferida que me atravessa desde essa tua leveza
sombria como uma dança até
ao poder com que te toco. A mudança. Nenhuma
estação é lenta quando te acrescentas ne desordem,
nenhum
astro
é tão feroz agarrando toda a cama. Os poros
do teu vestido.
As palavras que escrevo correndo
entre a limalha. A tua boca como um buraco
luminoso,
arterial.
E o grande lugar anatómico em que pulsas como
um lençol lavrado.
A paixão é voraz, o silêncio
alimenta-se
fixamente de mel envenenado. E eu escrevo-te
toda
no cometa que te envolve as ancas como um beijo.
Os dias côncavos, os quartos alagados, as noites que
crescem
nos quartos.
É de ouro a paisagem que nasce: eu torço-a
entre os braços. E há roupas vivas, o imóvel
relâmpago das frutas. O incêndio atrás das noites corta
pelo meio
o abraço da nossa morte. Os fulcros das caras
um pouco loucas
engolfadas, entre as mãos sumptuosas.
A doçura mata.
A luz salta às golfadas.
A terra é alta.
Tu és o nó de sangue que me sufoca.
Dormes na minha insónia como o aroma entre os tendões
da madeira fria. És uma faca cravada na minha
vida secreta. E como estrelas
duplas
consanguíneas, luzimos de um para o outro
nas trevas"

 

 

Herberto Helder : A carta da paixão

publicado por José Manuel Faria às 10:34

 

"O CDS-PP anuncia hoje a sua posição oficial sobre a moção de censura que o Bloco de Esquerda vai apresentar a 10 de março e que já classificou de «inconsequente»."

 

A indecisão de Paulo Portas faz disparar para valores mínimos e extremamente preocupantes o índice PSI20. Espera-se que, ao final do dia o mistério se desfaça em nome da responsabilidade e estabilidade política que a Nação bem necessita.

publicado por José Manuel Faria às 09:29

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





comentários recentes
António Costa protagoniza arruada este domingo em ...
e o carvalhinho tambem entra nas contas? Sempre no...
Um livro, critérios diferentes:O livro das bandas ...
Quem é esta Irene Costa?É Socialista? militante? h...
"Não deixei de ser quem fui, não vou alterar em na...
Comissão Administrativa da Concelhia do Partido So...
Os PS (grandes) só se lembram dos militantes para ...
Olha os socialistas interesseiros, quando dava jei...
Um milhão de euros!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!...
Convém informar quais os funcionários que passam/r...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO