14
Set 12


- 12 JULHO, 2011 - 01:23

 

A VII Convenção realizou-se numa data nada propícia à actividade política interna do Bloco. Nós todos deveríamos estar nas ruas, no contacto directo com as populações, nas instituições várias, nos comícios a apoiar os nossos candidatos às legislativas. A Mesa decidiu, está decidido.

Nestes dois anos, o Bloco, atravessou momentos positivos: intensa actividade política no parlamento com resultados práticos, caso das chamadas “questões fracturantes”, mas, na maioria das vezes as propostas caíram em “saco roto” derrotadas por Sócrates; actividade positiva no apoio às greves na participação em manifestações e na dinâmica da realização de encontros, conferências e debates e resultados positivos nas legislativas e europeias 2009.

Nestes dois anos, o Bloco teve uma estrondosa derrota eleitoral nas autárquicas: falhou todos os objectivos ? vereação em Lisboa, Porto, Braga, Coimbra e Setúbal. Errou em não ter discutido com as concelhias, distritais e Mesa nacional o apoio a Alegre, candidato do sistema e de Sócrates, com os vergonhosos resultados conhecidos, errou no ataque que fez à ideia da possibilidade do PCP apresentar uma moção de censura ao governo e alguns dias depois entregou-a na Mesa da assembleia da república, pedindo ao PSD que a não aprovasse.

Nestes dois anos, o Bloco transformou-se numa organização partidária rígida e altamente hierarquizada, o contrário do que tinha vindo a ser. O funcionalismo exacerbado, o controlo, elevado a doutrina: a existência de responsáveis distritais para as concelhias: levando a orientação política, a nomeação, a tarefa aos camaradas da estrutura “mais baixa”, o excessivo poder na decisão da entrada de aderentes camaradas no Bloco, a escassez ou nula realização de plenários concelhios sem dar explicação aos aderentes. Longe vão os tempos em que todos os aderentes eram convidados a participarem em reuniões de concelhia. O poder intocável do grupo parlamentar que só responde perante a comissão política que na sua esmagadora maioria são os mesmos. E o fim dos convites à participação das “minorias” nas listas às legislativas.

O Bloco de Esquerda altamente institucionalizado tem de voltar a ser o grande partido da “osmose”, onde as suas organizações de portas abertas acolhiam e têm de acolher ainda mais os movimentos de cidadãos pelas suas lutas locais, os movimentos sociais contra o pagamento das Scuts dos precários ou da geração à rasca entre centenas, sem controlo partidário ou manipulação dos dirigentes.

O BE na próxima legislatura tem de passar à prática o diálogo, a convergência nas lutas sociais e eleitorais com o PCP e outras esquerdas extraparlamentares, só uma grande plataforma unida pode um dia governar o país.

Apresento à discussão uma proposta uma ideia para a futura direcção, o grupo parlamentar e, claro todos os aderentes reflectirem é sobre o sistema eleitoral.

O sistema eleitoral português: distribuição proporcional do número de mandatos (230) por 18 distritos e Açores/Madeira/Europa/fora da Europa (22 Círculos eleitorais), esta realidade legal constrói círculos onde se elegem 47 deputados (Lisboa) e 2 (Portalegre), a média de eleição de um mandato está compreendida entre os 19.000 e os 23.000 votos validamente expressos. Na prática este sistema penaliza todos os partidos à excepção do PS e PSD que são beneficiados. Este sistema faz “valer” menos um voto no Bloco de Esquerda em Bragança do que em Lisboa. Os votos no BE contam nos círculos de: Braga, Porto, Aveiro, Leiria, Santarém, Lisboa, Coimbra e Faro, nos restantes a tradução do voto em mandato é quase impossível ou impossível, mesmo: nestes círculos a bipolarização coarcta por completo a esperança em eleger mandatos e, ao mesmo tempo dificulta o crescimento do partido (dificuldade na criação de núcleos e ou concelhias) prejudicando-o fortemente nas eleições autárquicas.

O Bloco de Esquerda pugna pela alteração do sistema eleitoral, defende o desaparecimento dos 22 círculos em troca por um único círculo eleitoral ? Vantagens:

- Todos os votos no BE contam, fazendo com que os indecisos votem;

- Elege a democracia política a um patamar elevado;

- Termina com a bipolarização eleitoral nos círculos “pequenos”;

- Dificulta a criação de falsas (45%) maiorias absolutas do PSD e do CDS;

- Coloca todas as listas em igualdade absoluta;

- Com este sistema a putativa diminuição do nº de deputados no parlamento influência proporcionalmente quase nada os “pequenos” partidos.

 

publicado por José Manuel Faria às 21:35


"Considerando que a declaração do primeiro-ministro é suscetível de gerar equívocos", o Gabinete do Secretário-geral do PS torna público que: "1º O Secretário-geral do Partido Socialista foi informado, via telefone, das medidas que o Primeiro-Ministro anunciou ao país, cerca das 18h00 (uma hora antes) do próprio dia (sexta-feira passada, 7 de setembro).  

2º Em nenhum momento anterior àquela data o Secretário-geral do Partido Socialista foi informado de qualquer medida que o Primeiro-Ministro veio a apresentar.  

3º O Secretário-geral do Partido Socialista comunicou com toda a clareza ao Primeiro-Ministro, durante o telefonema referido no primeiro ponto, que discordava das propostas que iam ser apresentadas.  

4º O gabinete do Secretário-geral do Partido Socialista lamenta as circunstâncias que motivam a necessidade de divulgar este esclarecimento".


Expresso

publicado por José Manuel Faria às 19:27

Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





comentários recentes
Este senhor enquanto cidadão pode emitir as opiniõ...
Ruptura Vizela o jornal de parede do Ps😄😄😄😄😄😄
Coerência
Já não estou a perceber nada ????????Então o Armin...
B...quê?não são mais de 17 gajos, com desejos de p...
As falhas parece que estão noutro campo, caro amig...
Outra vez zé manelTudo que seja contra (este) pres...
Na casa do povo era povo ou cenário? só vi lá uma ...
A GENTE, que está a frente do B.E. de Vizela, pelo...
que gentinha sem informação... o problema arrasta ...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

13 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO