17
Fev 14

publicado por José Manuel Faria às 11:41

 

"Um dos efeitos destas alegações, no entanto, é não dar espaço nem tempo para o debate verdadeiramente substantivo. E eu não gostaria que isso acontecesse. Passo então a duas respostas ao texto de Jorge Costa, o único destes autores que se deu ao trabalho de ler e comentar o programa político do LIVRE. E deve ter sido um trabalho aturado, porque nas quatro dezenas de páginas e centenas de ideias e propostas, resultado de um processo deliberativo que contou com quase duas centenas de emendas de dezenas de pessoas, Jorge Costa decidiu não encontrar nenhuma semelhança: nem na defesa do ensino público ou da saúde pública, nem na recusa da privatização da Segurança Social, nem na defesa de uma política de ordenamento do território e qualificação urbana, nem na proposta de uma Carta dos Direitos Fundamentais do Cidadão Sénior, nem na campanha por um Plano de luta contra a pobreza infantil. Não; Jorge Costa conseguiu achar discordância na proposta de constituição de um fundo soberano, cujos juros iriam para financiar projetos científicos e educacionais, a estabelecer no prazo de uma geração, ou seja, cerca de trinta anos. É o que se chama ir longe para encontrar diferenças...

O texto de Jorge Costa é porém muito importante, no sentido em que finalmente permite identificar qual é a grande diferença que vale a pena debater na esquerda portuguesa, hoje. Diz ele que “o LIVRE propõe um programa de ajustamento; para governar com o PS, a política da esquerda tem de empobrecer.” Ora isto é notável, após quarenta anos de democracia e décadas de trabalho parlamentar, em pleno século XXI: ainda há quem veja o trabalho de compromisso e encontro de um programa comum como necessariamente “um empobrecimento”. Mais extraordinário é que o faça aparentemente sem olhar para o verdadeiro empobrecimento que se dá, todos os dias, à nossa volta.

Quem assim pensa não tem apenas dificuldade em entender as necessidades da democracia que, em Portugal como em todo o mundo, se faz pela busca de soluções partilhadas para problemas concretos. Tem dificuldades em entender a própria lição histórica da esquerda. A esquerda é, e será sempre, uma aliança. É e será sempre plural. Quando nos esquecemos da simples lição de que “juntos vencemos e divididos perdemos”, a esquerda perde a sua capacidade transformadora. Em democracia, os governos transformadores da esquerda passaram sempre — da construção da social-democracia escandinava à Frente Popular em França, do New Deal de Roosevelt ao Brasil de Lula e, mais recentemente, à Islândia após a crise — pelo trabalho conjunto entre a esquerda e centro-esquerda. Esse é o debate que é necessário fazer em Portugal, e que põe em causa o imobilismo e o conservadorismo de tantos, à esquerda e à direita. E é por isso que tanta gente tenta silenciar esse debate com distorções e falsidades. Mas não silenciarão aqueles muitos que querem que esse debate se faça e se cumpra, porque o país já sofreu demasiado com este estado de coisas e catástrofes maiores ainda estão ao virar da esquina, se nos deixarmos intimidar."

 

Rui Tavares

publicado por José Manuel Faria às 08:45

Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9




comentários recentes
Quim Barreiros e Expensive Soul nos festejos do 19...
Victor Hugo Salgado oficializa recandidatura em ma...
Se para festejar o dia do concelho são precisos ta...
AG até se entende que ao falares no passado não f...
Cada vez que leio o RV nem sei que diga em sei que...
283.000 pensionistas têm penções miseráveis, isso ...
São os memos argumentos da Opus Dei....
"Victor Hugo Salgado respondeu, mas antes voltou a...
Quantos quer? 1,3,5,6,7, quer com nomes começa no ...
O melhor vereador das Obras Municipais?!Basta ver ...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO