30
Mar 15

 

publicado por José Manuel Faria às 22:44

 

As próximas eleições legislativas não são umas eleições quaisquer. Nelas está em risco o adquirido democrático e social do nosso país. Permitam-me relembrar os traços essenciais deste argumento, embora ele já venha sido defendido há muito nesta crónica.

Em primeiro lugar, veremos certamente nos próximos meses que uma grande parte das elites e clientelas (são ambas as coisas) dos partidos do centro vão começar a clamar por um governo conjunto dos seus partidos — o chamado governo de “bloco central”. Exortarão a concretizar-se uma estabilidade para europeu ver, como sempre, mas é revelador que o fazem à medida em que os seus partidos forem ficando mais fracos, pelo desânimo que a continuação de uma “política do mesmo” provoca na população. Quando chegarem as eleições, e logo após, vão suceder-se estas pressões.

Ora, — este é o segundo ponto —, um futuro governo de bloco central é um perigo para o país. Vai amalgamar todos os partidos do sistema numa massa indistinta e sem alternativa, onde cada parte justificará e ocultará as fraquezas dos outros. O “bloco central” não vai transformar em força estratégica a fraqueza desses partidos acossados pela falta de perspectivas. Pelo contrário, são os partidos que vão contaminar o próprio regime com a sua fraqueza, pondo em risco a legitimidade da governação.

Há pior. Este PSD tem uma aspiração declarada de alterar a Constituição, que ficou ainda mais intensa depois deste mandato, e que não deixaria de impôr na mesa de negociações para uma maioria de governo que muito provavelmente seria também a maioria suficiente para uma alteração constitucional.

Uma quarta premissa é que a própria natureza da governação mudou com esta crise. Os governos governam a nível nacional, mas a nível europeu (e, crucialmente, da zona euro) representam, negoceiam e até legislam em nosso nome. Na verdade, nós não vamos só eleger um governo — vamos também eleger a voz de Portugal no Conselho Europeu durante quatro anos. Queremos que esta seja uma voz submissa ou que Portugal tenha uma estratégia própria no tabuleiro europeu?

Rui Tavares

Perante este quadro, é crucial que a esquerda faça escolhas estratégicas e não, como de costume, manobras táticas. O momento é de responsabilidade histórica, e bem identificado num manifesto recente no qual pontificam cinco historiadores — António Borges Coelho, Cláudio Torres, Fernando Rosas, Luís Reis Torgal e Manuel Loff, por ordem alfabética — alguns deles politicamente ligados, ou próximos, ao PCP e do BE. Neste manifesto as coisas são postas com a crueza que têm: “as eleições estarão perdidas para todas as esquerdas se, depois de três anos de Troika, o nosso povo tiver pela frente trinta anos de empobrecimento”. Esta é a quinta premissa, e decisiva: ou fazemos algo para interromper a deriva ou cada vez menos teremos um país onde valha a pena viver.

“Resistir é pouco para salvar” o país, diz este "Manifesto para uma esquerda que responda por Portugal" (como dizíamos já no "Manifesto por uma esquerda livre", há dois anos, e no Congresso Democrático das Alternativas, pouco depois). “As esquerdas não podem continuar a ser o que sempre foram”, concluem, e é certo.

Esperemos que o facto de o apelo vir agora de setores mais próximos dos seus partidos leve o PCP e o BE a retirarem a forçosa consequência: a de que só se pode evitar o desastre com um pólo forte à esquerda que esteja pronto a governar.

publicado por José Manuel Faria às 18:44

 

A CDU-Madeira ficou a cinco votos de eleger um terceiro deputado nas eleições legislativas deste domingo e, por isso, sobretudo porque podem permitir retirar a maioria absoluta ao PSD (24 deputados), Edgar Silva garante que vão à assembleia de apuramento eleitoral 'resgatar' os votos que lhes faltam para esse objectivo.

Em declarações há pouco após o fecho da contagem de votos, o agora reeleito deputado comunista frisa que a CDU obteve uma "votação histórica, o melhor de sempre do partido nas eleições regionais", destacando que estão á beira de conseguir o terceiro mandato.

Nesse sentido, a CDU vai recorrer à Assembleia de Apuramento que poderá decidir se há ou não maioria absoluta do PSD, conquistada por pouco. Os tais cinco votos que a CDU vai procurar obter. "A CDU pode tirar a maioria absoluta ao PSD", reforça.

publicado por José Manuel Faria às 08:18

Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





comentários recentes
ANÓNIMO A 9 DE DEZEMBRO DE 2019 ÀS 20:41É verdade ...
Porque não respondeu no Facebook?Ao menos o Sr. An...
que bonito o cortejo, tinha outra vida se fossem a...
ANÓNIMO A 9 DE DEZEMBRO DE 2019 ÀS 10:15Chamar BUR...
este executivo priveligia tudo aquilo que já cheir...
O PREÇO DE QUEM NÃO OBEDECE A VICTOR HUGO SALGADO:...
Anónimo de 5 de Dezembro de 2019 ás 13:11Comentári...
Vizela parece uma aldeia, que pirosice, TVI ao dom...
Na minha viagem pelo Faceebook sobre a venda do CA...
Sr, Anónimo vai ver que se fosse na CASA do PARK n...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

12 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO