14
Dez 17

"Um partido político é um instrumento de materialização de uma ideologia. Não é uma ideologia em si mesmo. Um partido político que seja uma ideologia em si mesmo já não é estritamente um partido, mas uma organização fascista. É nisso que o sistema partidário português se está a transformar – um sistema fascista dominado pela corrupção.

Uma sequência interminável de acontecimentos veio mais uma vez expor aos olhos de todos a promiscuidade das relações entre representantes dos poderes públicos e empresas ou instituições privadas. No caso das IPSS o assunto toma dimensões raras, levando essa promiscuidade a níveis que mesmo o mais céptico anarquista teria dificuldade em imaginar.

A verdade é que se houvesse em Portugal três jornalistas como a Ana Leal, da TVI, o país desapareceria, simplesmente. Deve desenganar-se quem pense que o caso da Raríssimas é uma excepção, pois o que realmente se verifica é que ele é a regra. E é desta regra que Portugal é feito e foi isto que o 25 de Abril construiu – um poço de miséria moral. E em face dessa miséria, da promiscuidade que campeia na política de alcova, em que um secretário de Estado se demite em directo depois de lhe mostrarem imagens de uma romântica praia brasileira, que faz o Governo? Segue a lógica inatacável da psicologia analítica de Carl Jung – “se te vires a afundar num pântano, não tentes sair, mergulha!” – e nomeia para o seu lugar a mulher de um deputado europeu militante do partido no poder. Isto é o fim da indignação no reino da indignidade. Fechem a porta e apaguem a luz à saída."

Bruno Santos

publicado por José Manuel Faria às 18:12

"Numa declaração pública na Casa dos Marcos, na Moita, a coordenadora da associação que representa os trabalhadores, Manuela Duarte Neves, explicou que a associação Raríssimas deixou de ter acesso às contas bancárias desde a demissão da presidente, Paula Brito e Costa, na terça-feira.

"Corremos o risco de fechar porque não temos dinheiro por muito tempo para dar comida. Corremos o risco de fechar porque não temos dinheiro por muito tempo para dar medicamentos" aos quase 200 utentes da associação, disse.

A responsável apelou ao primeiro-ministro, António Costa, para que envie para a Casa dos Marcos "uma comissão de gestão ou uma direção provisória que possa fazer funcionar a casa". A Casa dos Marcos, afirmou Manuela Duarte Neves, "paralisou por falta de capacidade de tomar decisões", já que não existe ninguém atualmente que possa "decidir com legitimidade".

publicado por José Manuel Faria às 14:07

Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



24
26
29
30



comentários recentes
Será que o Sócrates não teve nada a ver com a Banc...
ANÓNIMO A 19 DE JULHO DE 2020 ÀS 13:09Dinis Costa ...
O tempo “da boa fé e da colaboração institucional”...
Outra vez!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Existe gente que não s...
Dinis Costa em 2 009 recebeu 3 milhões de endivida...
Artigo 133.ºCapacidade do estabelecimento - é só a...
Pede se o favor a quem de direito, que tenham aten...
ANÓNIMO A 11 DE JULHO DE 2020 ÀS 10:57Então diga l...
O Dinis Costa teve o dinheiro dos orçamentos.Mas a...
Leu mal! 13 ( treze ) milhões que Dinis Costa desb...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO