23
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 10:23

publicado por José Manuel Faria às 10:21

O caso Berardo é apenas mais um exemplo daquilo que acontece quando o capitalismo, na sua versão mais selvagem, anda a solta, sem travão, manobrado por parasitas com os bolsos cheios de políticos corruptos. Não existe regulação (ou não funciona), à partida ninguém é responsável, todos têm excelentes alibis e uma série de saídas de emergência legais (cortesia da proveitosa e duradoura parceria público-privada entre indivíduos que de manhã legislam no parlamento e à tarde ajustam directo num qualquer escritório fancy de Lisboa) e nem dívidas têm, como muito bem explicou Joe Berardo, que, tal como os seus pares que se envolvem neste tipo de artimanha financeira, não têm dívidas nem património. É tudo da fundação. Ou da empresa. Um indivíduo destes tem no máximo uma mota de água e a roupa que traz no corpo. [Read more…]

Filed Under: política nacional Tagged With: assaltodívidaparasitas

publicado por José Manuel Faria às 10:16

22
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 12:53

publicado por José Manuel Faria às 11:38

21
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 18:32

 

Em finais de maio, a turma C do 12.º ano de Línguas e Humanidades, da Escola Básica e Secundária de Infias, deslocou-se ao Tribunal Judicial de Guimarães para concretizar a simulação de um Julgamento, um caso de «Homicídio», inserido no projeto «Justiça para tod@s», na presença da Juíza de Direito do Juízo Local Criminal.

O julgamento foi planificado e ensaiado nas aulas de Geografia C, ao longo do 3.º período, sob orientação da professora Sandra Silva e a colaboração da advogada Carla Queirós. Os diversos papéis foram distribuídos pelos alunos, que tiveram a tarefa de construir a sua personagem e apresentá-la em Tribunal.

A atividade decorreu como o planificado. Os alunos mostraram-se muito interessados e cooperantes, tendo estado muito atentos às informações veiculadas e colocando questões relacionadas com o projeto. Mostraram-se muito criativos e empenhados na construção das diversas personagens e consultaram artigos do código penal.

Foram, também, os alunos a estabelecerem parceria com a advogada Carla Queirós e, no dia da simulação do julgamento, foi notória a enorme satisfação pela experiência que lhes foi proporcionada, ajudando mesmo alguns alunos a consolidar a sua vontade em seguir o ramo do Direito. Nas suas palavras, descritas num relatório que a docente lhes pediu, “(…) o “Justiça para tod@s” revelou ser um excelente exercício, do agrado de todos os alunos. (…) uma aprendizagem para futuros estudantes de direito» (Ana, Rita João e Luís); “Foi uma atividade diferente de todas as que já realizamos e que nos trouxe um conhecimento mais aprofundado sobre a Justiça e para alguns trouxe certezas do que querem para o futuro” (Margarida e Vânia Sousa); “Aconselhamos a quem estiver no nosso lugar, no próximo ano letivo, a abraçarem este projeto”. (Joana e Cristina)”. 

RV

publicado por José Manuel Faria às 18:24

20
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 10:19

publicado por José Manuel Faria às 10:02

publicado por José Manuel Faria às 09:58

publicado por José Manuel Faria às 08:49

19
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 12:40

 

 

 

 

“Era, pois, em 1851, aos 15 de Junho, nas Caldas de Vizela.”

 

Seria deveras interessante, passados cento e sessenta e oito anos, observar Camilo “entre os salgueiros que enverdecem uma ilheta acima da ponte que hoje chamam «velha»”. 
É neste sinceiral que se dá o começo da novela Gracejos que Matam. Entre quais personagens se daria hoje o duelo, quem seria capaz de melhor esgrimir os argumentos, ferindo de morte o adversário? O mais certo seria Camilo concluir que o ar sulfúrico de Vizela continua a fazer vítimas.  
Camilo Castelo Branco procurou em Vizela a cura para as suas maleitas. 
As temporadas passadas nas termas fizeram eco na sua literatura, sendo a narrativa de Gracejos que Matam o exemplo mais flagrante desse facto. Aqui travou conhecimento com as mais diversas personagens, alimentando a trama nos meandros das margens do Vizela. A leitura da referida novela permite-nos fazer essa travessia, com uma distância temporal de vinte anos. 
O narrador faz questão de nos elucidar para pormenores do antes e depois, as transformações ocorridas durante esse período, como, por exemplo, nos demonstra a seguinte passagem: “Ao repontar da manhã, atravessámos o Vizela por umas alpondras sobre as quais se encurvam hoje os arcos da Ponte Nova.” A vida de Camilo talvez tenha sido um contínuo duelo consigo mesmo, ao qual decidiu pôr termo com uma bala na cabeça. Deixou-nos uma obra inigualável, em quantidade e qualidade. Ser parte desse murmúrio que percorre a corrente das páginas devia ser um privilégio para nós, enquanto vizelenses. 
Certamente, o nosso olhar readquiria uma nova forma de olhar vários elementos que fazem parte da nossa cultura e património.  “Estava eu a entalhar um M na casca de um amieiro. Era a inicial de uma das cinco Marias que eu amava.”
Hélder Magalhães

publicado por José Manuel Faria às 12:04

publicado por José Manuel Faria às 11:33

18
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 12:38

publicado por José Manuel Faria às 11:39

17
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 12:08

publicado por José Manuel Faria às 12:06

publicado por José Manuel Faria às 12:00

16
Jun 19

publicado por José Manuel Faria às 10:53

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





comentários recentes
António Costa protagoniza arruada este domingo em ...
e o carvalhinho tambem entra nas contas? Sempre no...
Um livro, critérios diferentes:O livro das bandas ...
Quem é esta Irene Costa?É Socialista? militante? h...
"Não deixei de ser quem fui, não vou alterar em na...
Comissão Administrativa da Concelhia do Partido So...
Os PS (grandes) só se lembram dos militantes para ...
Olha os socialistas interesseiros, quando dava jei...
Um milhão de euros!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!...
Convém informar quais os funcionários que passam/r...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO