17
Ago 13

 

 

"2 – as desconformidades constitucionais já obrigaram à subida de impostos e obrigam – o verbo foi sempre esse – agora a fazer uma “redução de efectivos na função pública”. “Se não temos dinheiro para pagar salários e pensões, o que fazemos? O que fazem as empresas: reduzem pessoas e baixam salários”

É realmente estranho que o Tribunal Constitucional considere inconstitucional aquilo que é inconstitucional.

 

É evidentemente falso que o problema orçamental esteja na função pública, mas essa é uma mentira que há-de ser repetida até à exaustão por quem não se pode dar ao luxo de ter vergonha.

 

É manifestamente estúpido que um primeiro-ministro declare abertamente que quer reduzir efectivos na função pública, contrariando a Constituição, para depois se fingir muito admirado com a declaração de inconstitucionalidade dessa medida."


António Fernando Nabais

publicado por José Manuel Faria às 10:23

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



29
30
31


comentários recentes
Convém lembrar que o turismo tem um técnico Superi...
VHS só uma pergunta simples,Quantos funcionários s...
Quim Barreiros e Expensive Soul nos festejos do 19...
Victor Hugo Salgado oficializa recandidatura em ma...
Se para festejar o dia do concelho são precisos ta...
AG até se entende que ao falares no passado não f...
Cada vez que leio o RV nem sei que diga em sei que...
283.000 pensionistas têm penções miseráveis, isso ...
São os memos argumentos da Opus Dei....
"Victor Hugo Salgado respondeu, mas antes voltou a...
subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO