28
Mai 08


Os contratos a termo na Função Pública não poderão exceder os três anos, incluindo renovações. Esta é uma das alterações que consta dos acordos ontem assinado entre o Ministério das Finanças e os dois sindicatos da Função Pública afectos à UGT (Fesap e STE). A Frente Comum recusou assinar os documentos que estavam em cima da mesa e que praticamente concluem a reforma da Administração Pública.

 

A unicidade sindical não deve existir porque a liberdade sindical deve ser tanta como a liberdade política.

 

A Central UGT tão crítica com as opções da reforma da Administração pública cedeu mais uma vez, e a precariedade dos trabalhadores vai aumentar.

 

É assim, há sempre alguém a fazer o frete ao governo. E brindam com champanhe como nos tempos de Torres Couto.

 

Os trabalhadores devem abrir os olhos a quem os representa.

 

Reparem no símbolo da UGT!

publicado por José Manuel Faria às 10:40

comentário:
concordo com a primeira ideia
abc a 28 de Maio de 2008 às 11:50

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





comentários recentes
Das duas três: este Eugénio está armado em ser pro...
Caro senhor professorPode dizer-me que sigla é aqu...
À medida do defunto, como disse o outro.
Uma proposta à medido do jic
Agora são os chineses, antes eram os angolanos.. C
E o Sócrates atirou sobre a Câncio. O que ela prec...
É uma vergonha.Professor José Manuel Faria.Não pub...
Como está o PS Vizela!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Mete dó,...
Bem prega Frei Tomás....
Falta acrescentar o nome de outro possível visado ...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

13 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO