02
Out 08

http://tantodemim.blogs.sapo.pt/arquivo/labios.jpg

sem título

Setembro 30, 2008

revestiu os seios com duas caixas metálicas, frias como os arrepios.

dançou no meio dos trilhos enquanto dos lábios, rasgados de sangue, saiam

berros tribais, canções secas de palheiros, de buracos, de tocas negras do medo húmido, de desespero trincado.

fez dos seios caixas enferrujadas enquanto nelas batia num compasso acertado.

tal como os gritos do mercúrio nas feridas soltava-lhe uma dor sonora nunca ouvida. 

rasgava-se-lhe a carne, rasgava-se-lhe as formas de mulher e os sentidos de gente.

foi perdida, no nada, no monte, no árduo chão de ninguém foi perdida.

revestiu a coragem, revestiu os seios com duas caixas metálicas e implorou com a música do seu peito até ser encontrada.

publicado por José Manuel Faria às 19:04

Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





comentários recentes
Bem a pensar assim a Praça, (Lameira)deveria ainda...
Os únicos preocupados são:O Eugénio e a Dora, o Eu...
Há por aqui comentários de pessoas a soldo dos que...
de Março Essa alternativa (nunca chegou a ser pro...
A qual eng ) Ao Porta Chaves
Este artista tem a voz do dono. E nasceu na Praça ...
É só olhar para a fotografia deste" poeta" que se ...
Hotel sul americano, já teve só dois andares, Casi...
Depois de ler este artigo, fiquei a perceber que n...
Parece que não re4spondeu ao que lhe perguntaram. ...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

13 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO