02
Abr 09


Ontem pela primeira vez tive uma conversa rápida, diferente do “problema”, mais que interessante, profunda sem ser chata, foi no oftalmologista.

- O que é o estigmatismo?
- E a miopia?
- E uma gripe?

Assim de rajada, eu respondi, segundo o médico como todos os seus doentes ( 60 por dia): com sintomas e efeitos da doença e não com a definição, disse-me para não me preocupar, pois enfermeiros, médicos ou professores respondem do mesmo modo. Ou são assuntos esquecidos ou entendidos pela “rama”.
- Tenho uma familiar que acompanhei nos trabalhos escolares desde o 5º até ao 8º, e era ver os manuais completamente cheios de erros científicos, assim como os testes dos professores, claro que não falei com os docentes, o ensino é mau demais, disse!
- O Doutor está imparável, registei.
- Tenho um mestrado em oftalmologia, licenciatura em matemáticas aplicadas e estudei anatomia patológica com Sobrinho Simões, o meu herói.

Depois de mais conversa - até nem parecia que estava num consultório e eu sem problema nos olhos – sobre ciência médica e ou ensino. Atirou esta.

- E andam quase todos: políticos, economistas e população em geral a falarem da pobreza, da guerra ou da paz, sem saberem do que falam.
- O mundo, os problemas no mundo são compostos e idênticos ao funcionamento do corpo: concentração populacional, guerras e ódios existem e nunca terminarão; pois as moléculas, o sangue, os vírus estão em contínua e permanente luta interna provocando momentos, poucos de acalmia e a maior parte do tempo de guerra, tal e qual o mundo dos humanos, e não há nada a fazer.

Nem me atrevi a perguntar-lhe sobre as utopias, a transformação do mundo, o voto, a democracia ou as Eleições nacionais para o Parlamento Europeu.

Pois, e a consulta? Nada! Disse o médico, foi talvez um momento de algum nervosismo, e sabe, podemos ter um problema de uma dor no pescoço, numa orelha ou numa perna e esperamos, quando se trata dos olhos, é uma aflição, tal e qual como no mundo dos homens, disse!

Saí do consultório a pensar: E eu com tanta conversa sobre eleições para quê! Não, se os médicos existem, é porque pelo menos atrasam a inevitabilidade da doença, assim como a nossa participação activa pode contribuir para um sangue sem tanta gordura no Poder político.

publicado por José Manuel Faria às 11:16

2 comentários:
Bendito seja este médico entre muitos outros.
É pena não existirem mais como este....!!!
Josefa a 2 de Abril de 2009 às 15:53

Saí meio atordoado, e mais, tratou-nos,( eramos três ao mesmo tempo no consultóriio boquiabertos) por tu. Quase no fim das consultas, disse-nos se nos importavamos com esse tratamento. Claro que não, afirmamos em unissono.
José Manuel Faria a 2 de Abril de 2009 às 18:38

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





comentários recentes
Parece que não agradou o comentário...
Ufa...Ufa... professorEstava ficar desesperadoNão ...
Quem me dera ser funcionário público!
Coitados dos funcionários públicos (em geral) foss...
O que faz na foto , o dirigente do partido da dire...
o executivo deve mandar ás malvas os P.SS.Estão pr...
Está bem, não foi a Câmara, mas foi a Junta, que v...
Cá para mim, esta foi uma manobra de diversão para...
E o irónico não é ficarmos com mais uma prova de q...
No jornal de Vizela pode ler-se a opinião de Fátim...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

13 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO