31
Mar 16

 

(...) As esquerdas modernas nascidas dos delírios marxista, estalinista, leninista, trotskista, maoista, enverhoxhista e quejandos conservam a consistência ideológica da gelatina. Aburguesaram-se. Perderam-se no deslumbramento dos salões do poder que finalmente provaram e de que gostaram. Trocaram o fascínio dos jargões revolucionários, pela conveniência do "socialismo" onde cabe tudo. E defendem, consoante as circunstâncias, uma coisa e o seu contrário, com a mesma facilidade com que acreditam que dois dias depois já ninguém se lembrará de coisa nenhuma.

De Portugal à Grécia, com a Espanha pelo caminho, vai sendo assim. O radicalismo que rendeu votos a Tsipras, Iglesias e Louçã, cedeu lugar à vontade de disputar o centro, na ilusão - ou talvez não - da partilha dos despojos do Pasok, PSOE e por este caminho, do PS, a prazo.

Há dias repuseram-se feriados. Dois religiosos - Corpo de Deus e 1 de novembro (Dia de Todos os Santos) - e dois civis - 5 de outubro (Implantação da República) e 1 de dezembro (Restauração da Independência).

A vontade do PS, com a abstenção do PSD e do CDS não surpreendeu. António Costa antecipou em campanha o que faria se fosse chefe de Governo e a ideia colheu simpatia no espaço político à sua direita.

Extraordinário, isso sim, foi o rejúbilo do BE.

Um partido que votou por feriados nascidos dos crentes, mas que há anos se esforça por banir crucifixos e símbolos religiosos das escolas, padres e bispos de cerimónias públicas e se permite graçolas invocando o nome de Deus em cartazes deprimentes.

Também um partido que importou o líder do Podemos, para afirmação mediática de campanha nas últimas presidenciais. Do lado de lá da fronteira, recorde-se, o congénere do BE quer proibir o exército de participar em atos litúrgicos e tem entre os seus membros quem pretenda acabar com as procissões durante a Semana Santa.

A secretária-geral do partido em Sevilha admitiu a hipótese de se terminar com as cerimónias, se os cidadãos e as cidadãs o decidirem. A coligação - Participa Sevilha (Podemos) - apresentou uma moção de apoio à designada "procissão blasfema", realizada em maio de 2014 com o objetivo de ofender as manifestações religiosas... E o "círculo" do Podemos em Vindel, publicou no twitter :

"Exigimos o fim das procissões. São atos que atrasam a nossa sociedade e ofendem os nossos irmãos muçulmanos - @Podemos_Vindel.

Resta, claro, uma hipótese. A da súbita conversão do BE não ter que ver com fé a mais, mas com vontade de trabalho a menos.

 

Oh Nuno, Louça não foi a votos! Oh Nuno não é preciso ser Católico (feriados religiosos) para apoiar direitos adquiridos pelos trabalhadores, assim como ser contra o 25 de Abril e o 1º de Maio e usufruir desses feriados como é o teu caso.

publicado por José Manuel Faria às 10:27

Março 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



27


comentários recentes
António Costa protagoniza arruada este domingo em ...
e o carvalhinho tambem entra nas contas? Sempre no...
Um livro, critérios diferentes:O livro das bandas ...
Quem é esta Irene Costa?É Socialista? militante? h...
"Não deixei de ser quem fui, não vou alterar em na...
Comissão Administrativa da Concelhia do Partido So...
Os PS (grandes) só se lembram dos militantes para ...
Olha os socialistas interesseiros, quando dava jei...
Um milhão de euros!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!...
Convém informar quais os funcionários que passam/r...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO