26
Jul 14

Há a urgência em alterar comportamentos da esquerda(s) à esquerda do PS. Esta digladia-se desde sempre na procura de quem é mais marxista mais socialista mais revolucionária e, com isto, os ex:salazaristas do CDS e PSD juntos mais o PS  têm governado sempre após/Abril, nas continuas ondas capitalistas, liberais, conservadoras, infectando os oceranos com ideologias ultra/financeiras especulativas travando as águas humildes operárias e demais trabalhadores - o roubo de rendimento e de direitos-,  é hora (nas próximas legislativas) da maioria social tomar o poder e correr com Paços, Portas e Cavaco. através da construção de uma grande plataforma democrática e socialista de objectivo único e pragmático para isso era fundamental ter no mesmo barco, o BE. o LIVRE, o Movimento 3d e a manifesto, seria uma proposta para (12/14%) com mais de 30 deputados: a direita  encolheria e o PS teria de abrir portas e dialogar com as alternativas.

publicado por José Manuel Faria às 11:33

5 comentários:
Pura ilusão.

A ESQUERDA nunca condicionará o PS, a ESQUERDA se for coerente e apresentar propostas mobilizadoras , pode conseguir o apoio de largos sectores de abstencionistas e votantes do PS, e conseguir uma votação expressiva, que possa no Parlamento, impedir passagem de leis reaccionárias.

O problema é o calculismo de certos cidadãos, que para abrirem caminho a coligações com o PS, estão dispostos a não apresentarem propostas CLARAS, sobre questões tão importantes , como o Tratado Orçamental ou a Reestruturação da Divida.

E tudo isso porque nem Seguro, e muito menos Costa , querem assumir compromissos sobre essas matérias.

Assim teríamos , caso essa tese vingasse, um governo PS, com uma bengala á sua ESQUERDA, a aplicar uma AUSTERIDADE mais fofa, e a cumprir os ditames da Merkel e do Tratado Orçamental.

Em suma o Hollande com cobertura de ESQUERDA.


Sem ironia, seria mais lógico terem escrito o Fórum Manifesto, ( pois Livre, restos do 3D e restos do Manifesto é tudo Fórum Manifesto), com a colaboração do BE , poderiam ( duvido muito) terem entre 12 a 14%.

Para quem dito cobras e lagartos do BE , e tem feito OBJECTIVAMENTE, com o apoio da comunicação social, uma campanha de DESTRUIÇÃO da imagem do BE , é no mínimo EXTRAVAGANTE , apelar a alianças, eu sei que em politica o que se disse ontem nega-se hoje, mas não acham que é pedir de mais?
Anónimo a 26 de Julho de 2014 às 19:51

Os partidos existem para conquistar o poder. Caso, sozinho não o consiga deve criar
pontes no sentido de o exercer: a maioria das vezes não o consegue. 40 anos após abril, nunca a esquerda governou!

Pois é , a ESQUERDA nunca governou, temos tido governos de alternância , como o rotativismo do século XIX, as clientelas do PS e do PSD, sucedem-se nos tachos, ás vezes com o CDS a lamber as migalhas-

Tudo muito certo , mas exactamente por isso e para romper com esse estado de coisas, são precisas alternativas, e elas não se constroem com os partidos da alternância, o PS não é reformável, pelos muitos interesses instalados, é uma ilusão que pode sair muito cara, pensar que se pode condicionar o PS.

Resta-nos a ESQUERDA, mas ela está muito divida, pode encontrar-se uma plataforma mínima de entendimento, um programa comum, certamente, agora parece um bocado surrealista, que aqueles que nos últimos tempos mais têm dividido a esquerda, criando partidos , e preparando-se para criar mais, surjam como os campeões do anti-sectarismo, e das propostas unitárias, certamente não esperam ser levados a sério.

A ESQUERDA não se reforça dividindo-a em mais capelinhas, só porque certos cidadãos só olham para o seu umbigo.

Anónimo a 27 de Julho de 2014 às 02:25

quer dizer uma alternativa de poder com: PCP, BE e esquerda reformista.

1- O PCP só governa se vencer as eleições;

2- As outras esquerdas não ultrapassarão os 15%.

3- A rotina continuará: PS/PSD/CDS no poder e, o povo a sofrer.

Estamos realmente num impasse, e não vale a pena escamotear a situação.

Têm de pesar todas as possibilidades, sem se tentar conduzir a ESQUERDA ao seu suicídio , que seria participar num governo PS , que se recusasse a negociar a Reestruturação da Divida e exigir o fim do Tratado Orçamental.

Este poderia ser o começo de um programa mínimo de alternativa.

Unir todos os que entendem prioritário a Reestruturação da Divida, e que querem denunciar o Tratado Orçamental, que é um garrote ao desenvolvimento do País e de combate á austeridade.

Como vê estes duas propostas têm largo apoio, e podem ser as traves mestres da construção de uma alternativa de ESQUERDA.

A unidade tem de ter alicerces, e assentar em propostas viáveis que sejam realmente alternativa e não alternância.

É isto que vai estar em discussão na ESQUERDA, e não se a ESQUERDA deve ou não ser governo, isso é uma falsa questão, deve ser GOVERNO, mas ter propostas claras de alternativa, se não como já escrevi, será a reedição do Hollande com uma bengala de esquerda.
Anónimo a 27 de Julho de 2014 às 14:58

Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





comentários recentes
ja se pode comentar
Perfeitamente de acordo com os comentários.Anterio...
Decisão sensata...
Ó anonimozeco, além de cobarde rateirinho, demonst...
Não há indignados, revoltados,... Totós, ranhetas,...
Que historia é esta de enriquecimento ilícito? Que...
MINISTRA DA COESÃO EM VIZELAOra ora que coincidênc...
Que se passa Dr. Desde Julho que nada publica no s...
Lamento muito, Zé! Abraço.
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO