01
Nov 19

A proposta de Documentos Previsionais – Opções do Plano e Orçamento para 2020 da Câmara Municipal de Vizela (CMV) foi aprovada na reunião extraordinária do Executivo Municipal.

O documento, que apresenta 19 milhões 971 mil 413 euros de Orçamento, foi aprovado por maioria, tendo os dois vereadores do Partido Socialista (PS) votado contra.  

Foram os socialistas os primeiros a intervir e a justificar o seu sentido de voto. Para Horácio Vale, o documento é “vago e generalista” e não aposta nas “áreas que deveriam ser prioritárias para o concelho”.  Durante a reunião, Horácio Vale apresentou dezenas de obras e de medidas que constavam, referiu, dos programas eleitorais do PS, do Movimento Vizela Sempre e da Coligação PSD/CDS-PP. Na resposta, o presidente da CMV afirmou que para pôr tudo em prática seriam precisos 40 milhões de euros, algo que o vereador socialista refutou.  

Já Dora Gaspar disse não entender que num ano que será de obras, se baixe 15% o valor do Plano Plurianual de Investimentos (PPI). A vereadora lamentou que o Executivo não aposte na amortização de dívida, questionou a subida do aumento de 1 milhão e 700 mil euros nos Recursos Humanos e lamentou que “não estejam a ser cumpridas as promessas feitas”. Mas a vereadora socialista começou por “puxar dos galões” afirmando que o documento apresentado “reflete a boa herança que o PS deixou”, referindo-se a um conjunto de obras integradas no Plano de Ação de Regeneração Urbana (PARU) e no Plano de Ação de Mobilidade Sustentável (PAMUS), que resultam de projetos deixados pelo PS.

O presidente da CMV, Victor Hugo Salgado contra-argumentou, afirmando que dizer que 2020 “não será um ano de investimento é mentira”.

Já a vereadora Fátima Andrade, da Coligação PSD/CDS-PP, explicou o seu voto favorável pela necessidade de se avançarem para o terreno as obras projetadas.

Na reunião desta quinta-feira do Executivo Municipal de Vizela, também se discutiu e votou a proposta de Mapa de Pessoal para o próximo ano.  Fátima Andrade, vereadora da Coligação PSD/CDS-PP, absteve-se porque entende que a aposta do Município não deveria passar pela criação de novos postos de trabalho, mas sim por reorganizar os seus serviços.

Também os vereadores do PS se abstiveram. Dora Gaspar fala que o documento é pouco transparente, reforçando novamente o aumento de 1 milhão e 700 mil euros com Recursos Humanos. Para a vereadora, o Município não aposta nas áreas essenciais.

Victor Hugo Salgado, presidente da CMV, explicou que o aumento com os Recursos Humanos está relacionado com a transferência de competências na Educação, mas também com os ajustes que se perspetivam no salário mínimo nacional e na reposição remuneratória da função pública.

 

Rescaldo da Reunião extraordinária do Executivo Municipal para conferir na próxima edição do RVJornal.

Na próxima terça-feira, dia 05 de novembro, haverá nova reunião, desta feita de caráter ordinário.

RV

publicado por José Manuel Faria às 12:01

6 comentários:
VHS as festas são feitas por ALGUNS funcionários da Cãmara, os teus amigalhaços/ças não metas os funcionários da CMV todos no mesmo saco porque não são tratados de igual forma, e convém dizer que sendo as festas feitas pelos funcionários da CMV, alguns, não é por isso que não deixam de ter custos, aliás todos os que trabalham são bem remunerados, ora as horas pagas a esses funcionários ficam muito caras, convém que ao falarem sejam transparentes e já agora por questões de coerência diga o valor que a CMV gastou com os ditos funcionários em euros.
E mais,porque Vizela paga mais barato?
VHS não é por falares bem e seres realmente POLITICO que tudo o que dizes é verdade, não és a única pessoa séria, só acredita quem quer.
Quanto à oposição deixa muito a desejar, e nunca te esqueças que fizeste parte do executivo anterior, no entanto estás sempre a cuspir no prato que comeste.
Que feio.


Anónimo a 2 de Novembro de 2019 às 11:57

Um aumento de despesas com pessoal de 1,7 milhões de euros?!
A justificação é mais uma manifestação da preguiça mental do Presidente da CMV. Daí que, por carecer de melhor fundamentação, deveria ter sido chumbada por todos os oposicionistas, pois trata-se de um aumento brutal nas despesa pública corrente primária de um município com parcos recursos financeiros.
Que transferências de competências da Administração Central justificam a contratação de novos funcionários municipais? Não haverá nos quadros de pessoal do município funcionários que possam assegurar essas funções? Ou que com nova formação profissional possam ser dotados de competências que lhes permitam assegurar essas funções?! Isso atendendo a que, sendo público e notório, muitos funcionários públicos municipais (sobretudo técnicos superiores) ocupam cargos cujas funções são asseguradas apenas por alguns deles.
Além disso, será que Victor Hugo Salgado tem informação que nem o atual primeiro-ministro dispõe?! Aquando da apresentação e debate do Programa de Governo, António Costa prende ver aumentado o salário mínimo nacional para os € 700,00 até ao final desta legislatura e não até ao final do ano de 2020. E se tivermos em conta que esse aumento será sempre objeto de discussão e negociação no Conselho Económico e Social e que nada está agendado nesse sentido para este ano de 2019, estando o Governo da República a preparar a proposta de OE para 2020, nada leva a crer que haja algum aumento do salário mínimo nacional para 2020.
Quanto à reposição de vencimentos na função pública devido aos cortes sofridos desde 2011, esses cortes foram já totalmente revertidos. O que não foi ainda feito foi a reposição total de vencimentos tendo em conta os aumentos decorrentes de algumas carreiras da função pública, como, por exemplo, a dos professores.
E qualquer aumento de vencimentos da função pública que possa afetar as remunerações dos funcionários do município de Vizela só poderá acontecer se houver alteração ao atual regime jurídico. E isso não ocorreu e nem se perspectiva que venha a acontecer. Mas se vier a ocorrer esse aumento será previamente conhecido e o município terá, nessa ocasião, oportunidade de alterar os documentos previsionais para acomodar esse aumento de despesa corrente com o seu pessoal. Neste momento é mais uma manifestação da incompetência deste presidente da CMV.
Anónimo a 3 de Novembro de 2019 às 14:26

VIZELA CIDADE NATAL 2019 | Este ano o verdadeiro espírito de Natal regressa ao nosso concelho. Viisite-nos!

Vai começar a mama para alguns, ganhar horas com fartura pagas a peso de ouro, almoçaradas e jantaradas por conta da câmara e no fim semanas inteiras em casa a gozar os dias que estiveram de serviço nas festanças.
Mas não são todos, são só para alguns.
Depois admiram dos gastos com o PESSOAL.
AHHHHHHH o povinho pensa que o pessoal da câmara amigos/as, comadres etc do Presidente trabalham nas festas sem ganhar?
Ahahahah até se deslocam Kms para trabalhar 2 minutos e ir embora, isto a qualquer dia e hora, depois tudo é compensado.

PS. O valor de 3 milhões e oitocentos mil euro que o VHS gastou em 2 anos em festas deva para fazer o novo edifício da AIREV na totalidade e ainda sobrava 1 milhão e meio, mais coisa menos coisa. A vida ás vezes dá nos que pensar, não acham? tanta gente a precisar e gastam se FORTUNAS em FESTAS,comes, bebes e vips.
Anónimo a 16 de Novembro de 2019 às 17:27

Se não é parece mesmo para amigalhaços:
O que está a fazer um técnico do desporto na foto em Ourense em que o tema é sobre o Turismo?
Pois é das festas, ganha uma pipa de massa em horas e ainda fica dias e dias seguidos em casa por conta das festas.
Não existe pessoal do turismo ou será que é para no fim fazerem uma corridinha?

Anónimo a 21 de Novembro de 2019 às 13:09

Mais uma vez a liderança da Coligação PSD/CDS-PP apagou-se...
Mais uma vez a liderança da Coligação provou ser fraca, recusa-se a ser alternativa, acomodada apenas aos interesses pessoais do presidente da comissão política da secção de Vizela...
Os eleitos pelas listas dessa Coligação, apesar, da esforçada tarefa da Fátima Andrade em manter uma aparente independência, encontram-se subjugados à necessidade do "líder" Jorge Pedrosa em preservar o seu "tachinho".
Tudo isso acabou por descredibilizar o projecto político sufragado por boa parte dos munícipes. A responsabilidade, porém, não pode ser unicamente assacada ao líder, apesar de ser ele o principal responsável.
Com esta conduta, que credibilidade conferirá cada um deles, sem exceção, ao mesmo projecto nas eleições de 2021?
Como não arranjarão novos candidatos, o projecto morreu.
Anónimo a 3 de Novembro de 2019 às 14:46

Dora Gaspar esteve tantos anos no desempenho de funções executivas na CMV, tendo mesmo exercido as inerentes funções de Vice-presidente do referido órgão aquando da cessação de funções executivas do vereador Victor Hugo Salgado... logrou detetar uma diminuição de 15% das dotações do PPI para o ano de 2020 e não foi capaz de verificar onde isso ocorreu?! E que tal usar o mesmo método comparativo usado para detetar essa diminuição global no total da verba do PPI em 2019 com a prevista para 2020, e usá-lo rubrica a rubrica?! Não teve tempo, foi?! Ou também foi acometida pela preguicite, que pelo visto anda a atacar a cmv?!
E, afinal, qual a relevância dessa crítica?! Não saberá ela, por ventura, que o importante é que o investimento seja feito e não tanto se a sua execução é feita de forma progressiva, regressiva, constante, etc?! Tudo dependerá da gestão financeira, da disponibilidade de recursos financeiros e das despesas previstas em cada exercício.
O relevante na análise de um PPI é, tal como foi em parte aflorado pelo vereador Horácio Vale, é a relevância dos investimentos inscritos nesse documento previsional na satisfação de necessidades públicas prioritárias, ou saber como é que esse investimento será suportado, ou em que medida o município afetará boa parte dos seus recursos financeiros próprios ou terá de recorrer a capitais de terceiros, ou em que mediada esses investimentos excedem ou não a capacidade sadia do município se endividar, etc.
Se não forem as intervenções mais ou menos argutas de eleitos como Horácio Vale ou Carlos Alberto Costa, Victor Hugo Salgado terá exercido este mandato de forma muito tranquila e preguiçosa, por causa de uma oposição globalmente incompetente, nada inteligente, vendida, incapaz e preguiçosa.
Anónimo a 6 de Novembro de 2019 às 10:40

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16




comentários recentes
ANÓNIMO A 9 DE DEZEMBRO DE 2019 ÀS 20:41É verdade ...
Porque não respondeu no Facebook?Ao menos o Sr. An...
que bonito o cortejo, tinha outra vida se fossem a...
ANÓNIMO A 9 DE DEZEMBRO DE 2019 ÀS 10:15Chamar BUR...
este executivo priveligia tudo aquilo que já cheir...
O PREÇO DE QUEM NÃO OBEDECE A VICTOR HUGO SALGADO:...
Anónimo de 5 de Dezembro de 2019 ás 13:11Comentári...
Vizela parece uma aldeia, que pirosice, TVI ao dom...
Na minha viagem pelo Faceebook sobre a venda do CA...
Sr, Anónimo vai ver que se fosse na CASA do PARK n...
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

12 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO